Defesa de Bolsonaro encaminha um terceiro exame de covid-19 ao Supremo

A defesa do presidente Jair Bolsonaro descobriu um terceiro exame para detectar covid-19, além dos dois inicialmente informados pelo presidente. Os três resultados foram enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas ainda não foram tornados públicos.

Centrão minimiza vídeo, mas admite dificuldades se STF avançar em inquérito

Para se antecipar a uma decisão do STF, a Advocacia-Geral da União (AGU) entregou ao ministro Ricardo Lewandowski,na noite da terça-feira (12), os dois exames realizados pelo presidente para testar o contágio por covid-19. Na manhã desta quarta-feira (13), menos de 24 horas depois da primeira entrega, a defesa encaminhou ao ministro um terceiro exame. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo, autor do pedido judicial de entrega dos exames.

Segundo nota da AGU divulgada na noite de terça, os dois laudos confirmam que o presidente testou negativo para a doença. No entanto, o órgão ainda não se manifestou sobre o terceiro exame. O ministro Lewandowski deve decidir ainda hoje se os resultados serão divulgados.

Bolsonaro realizou exames nos dias 12 e 18 de março, após retornar de viagem aos Estados Unidos, mas não divulgou os resultados. Ao menos 23 pessoas que o acompanharam foram diagnosticados com a covid-19, incluindo auxiliares próximos, como o secretário de Comunicação Social, Fabio Wajngarten e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno.

Ao se recusar a divulgar os resultados, a exemplo do que fizeram outros líderes do mundo, Bolsonaro levantou dúvidas. O interesse em torno do resultado dos exames aumentou ainda mais depois que o presidente começou a participar de aglomerações. Em entrevista à Rádio Guaíba em 30 de abril, ele disse que “talvez” tenha contraído o coronavírus.

Inicialmente, a requisição do Estadão foi feita à Justiça de São Paulo, que deferiu o pedido. Posteriormente, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região confirmou a decisão da primeira instância. Bolsonaro então recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e o presidente da Corte, João Otávio de Noronha, deu decisão contrária e desobrigou o presidente da entrega dos exames. O jornal decidiu, então, acionar a mais alta Corte do país em busca de um desfecho definitivo para o imbróglio judicial.

Veja a íntegra dos depoimentos de Augusto Heleno, Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos à PF

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!