Críticas a Bolsonaro nas redes passam de 30% para 41% após coronavírus

Levantamento indica que o número de menções negativas no Twitter, Facebook, Instagram e Youtube ao presidente Jair Bolsonaro cresceu 11 pontos percentuais após a crise do coronavírus. As informações são de relatório (íntegra) da plataforma de monitoramento online Torabit.

A plataforma acompanhou o comportamento nas redes sociais dos dias 6 de fevereiro a 17 de março. O intervalo compreende os 20 dias anteriores do primeiro caso da doença confirmado no Brasil e os 20 dias posteriores. Foram analisadas 4,1 milhões de menções nas redes sociais.

No intervalo de 20 dias anteriores do primeiro caso confirmado com coronavírus eram 27% de menções positivas, 30% de negativas e 43% neutras.

Nos 20 dias depois da primeira confirmação, as mensagens positivas em relação a Bolsonaro caíram para 21%, as negativas subiram para 41% e as neutras caíram para 38%.

> Processo de afastamento de Bolsonaro do poder poderá ser rápido

> Senado faz sessão digital e aprova estado de calamidade pública

Termos associados nas menções a Bolsonaro

No primeiro intervalo os termos mais comumente encontrados nas mensagens eram “folha, “imprensa”, “congresso” e “PT”. No segundo intervalo de tempo analisado os termos associados passaram a ser “impeachment”, “panelaço” e “coronavírus”.

> Governo perdido, poder paralisado

> Assine nossos serviços premium

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!