“Chega, porra!”; “ordens absurdas não se cumprem”: Bolsonaro reage ao STF

Nesta quinta-feira (28), o presidente Jair Bolsonaro reagiu à operação da Polícia Federal determinada pelo ministro Alexandre de Moraes para investigar um esquema de disseminação de fake news. O discurso do presidente oscilou entre momentos de proposta de diálogo e outros com clara indicação de uma escalada na tensão institucional. 

> Bolsonaro tem rejeição recorde: 43%; base segue em 33%, diz Datafolha

Na parte mais agressiva do pronunciamento, Bolsonaro disse que “ordens absurdas não se cumprem” e que “nós temos que botar um limite nessas questões”. Em determinado momento, o presidente gritou: “Acabou, Porra!”, se referindo a que ele chama de interferência dos outros poderes em seu governo. 

Na transição para um tom mais institucional, Bolsonaro tentou focar as críticas à figura do ministro Alexandre de Moraes, não a todo o STF. “Quando alguém do meu lado se desvirtua, eu demito. Já que eles [ministros do STF] não podem ser demitidos, que os colegas conversem com eles”, disse. 

> Eduardo Bolsonaro defende ruptura institucional. Oposição reage a golpismo

Bolsonaro pediu aos colegas dos outros poderes que busquem o entendimento e que deixem atitudes individuais atrapalharem os assuntos públicos. 

Na sequência, o presidente disse que “a democracia é algo sagrado” e repudiou as teses de que pretende dar um golpe. 

“Sou o chefe supremo das Forças Armadas. Em nenhum momento disse que as Forças Armadas estão com o presidente, elas estão com o povo, a democracia, a lei e a ordem. Não vão fazer que eu transgrida, que eu me torne um pseudo-ditador da direita. Isso não existe. Irei às últimas consequências contra qualquer um do meu meio que eventualmente pense dessa maneira. 

Assista à íntegra do pronunciamento

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!