Centrão espera indicar ministro da Cidadania na próxima semana

O presidente Jair Bolsonaro deve nomear até a próxima semana o sucessor de Onyx Lorenzoni no Ministério da Cidadania. A indicação cabe ao Republicanos e a escolha do partido está entre os deputados João Roma (BA), Márcio Marinho (BA) e Jhonatan de Jesus (RR).

Bolsonaro já confirmou que Onyx vai assumir a Secretaria Geral da Presidência, abrindo espaço para indicação partidária na pasta da Cidadania, responsável pelos programas sociais do governo, como o Bolsa Família.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Quanto ao partido de Arthur Lira, o PP, a avaliação na bancada a de é que ainda é cedo para definir a ocupação de um ministério. Avaliam também já ter conquistado um bom espaço ao ganhar a presidência da Câmara.

Uma fonte da legenda disse ao Congresso em Foco que o Republicanos construiu uma diálogo direto com Bolsonaro e as conversas para assumir um ministério existem desde meados de 2020.

"É muito fácil fazer a leitura de que isso é uma moeda de troca na eleição de Lira para Mesa. Parece que o mundo gira em torno disso, mas não é isso exatamente. Tem movimentações? Tem. Mas essa conversa do Republicanos tem uma gênese diferente, ela não começou na eleição da Mesa Diretora", declarou um deputado da legenda.

O Republicanos passou a ficar mais próximo do governo após o presidente da sigla, Marcos Pereira, se afastar do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), rival de Bolsonaro.

Pereira e Maia eram aliados próximos até a corrida pelo comando da Câmara, quando Maia lançou Baleia Rossi (MDB-SP) e o dirigente do Republicanos apoiou Lira.

"Até se consolidou, óbvio, fortaleceu depois que Marcos Pereira se distanciou do Rodrigo, mas a conexão não é essa, começa em maio [de 2020] quando houve café da manhã e aproximação com Bolsonaro. Isso passa em outubro [de 2020] com a conversa da cisão do Ministério da Indústria e Comércio, que Marcos Pereira não aceitou naquele momento porque queria ser presidente da Mesa".

Continuar lendo