“Cada vez mais estou sem poder de decidir”, diz Bolsonaro sobre reitores

Em sua live semanal, o presidente Jair Bolsonaro reclamou da dificuldade de nomear reitores para universidades e institutos federais. “Cada vez mais estou sem poder de decidir”, disse. Em outubro, o Partido Verde moveu uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o governo federal a nomear para o cargo de reitor o candidato mais votado dentro das consultas internas das instituições. Bolsonaro defende seu direito de escolher um nome da lista tríplice indicada pela comunidade acadêmica.

“Eu não sei qual vai ser a decisão do Supremo, mas se é para eu escolher o primeiro da lista porque tem que chegar na minha mesa para eu assinar o ato de posse daquele novo reitor? Que decidam por lá. Ter autonomia universitária estão próximos à autonomia universitária.” O julgamento estava em plenário virtual, sob relatoria do ministro Edson Fachin, mas após pedido de vista, será remetido ao plenário convencional, que tem ocorrido por videoconferência.

Bolsonaro nega uso do termo ‘gripezinha’, mencionado por ele duas vezes

Bolsonaro defendeu o direito de nomear um dos três mais votados. “Por que no governo do PT não tentou se mudar isso daí? Porque a questão ideológica falava mais alto. A presidente Dilma, o Lula escolhem quem quiser da lista, o mais votado ou não. Ninguém nunca chiou, nunca. Quando chegou para mim, tem que mudar comigo agora?”, queixou-se.

Em manifestações enviadas ao Supremo Tribunal Federal (STF), o Senado, a Advocacia Geral da União (AGU) e o Ministério da Educação (MEC) se manifestaram contra a obrigatoriedade de o presidente da República ter de escolher o candidato mais votado para o cargo de reitor de universidades federais. O tema será analisado pela suprema corte em uma ação movida pela Rede Sustentabilidade.

Na semana passada, Bolsonaro reconduziu a reitora Márcia Abrahão para o cargo de reitora da Universidade de Brasília (UnB). Ela era a primeira colocada da lista tríplice e permanecerá no cargo pelos próximos quatro anos.

Em outras instituições de ensino, Bolsonaro não escolheu o primeiro colocado da lista tríplice. Em 30 de agosto, o presidente escolheu o terceiro lugar para a gestão da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), que tem campus em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Para a Universidade Federal do Piauí (UFPI), ele escolheu o segundo colocado da lista tríplice.

MEC, AGU e Senado são contra imposição para escolha de reitor

 

Continuar lendo