Bruno Funchal assumirá o comando do Tesouro Nacional

O economista Bruno Funchal vai assumir o comando do Tesouro Nacional quando Mansueto Almeida deixar o cargo, o que acontecerá, segundo o Ministério da Economia, no dia 31 de julho.

A informação foi confirmada pelo Congresso em Foco  com um interlocutor próximo ao presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (15). Mais tarde nesta segunda, o Ministério da Economia confirmou o novo nome por meio de nota. Leia a íntegra mais abaixo.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Funchal trabalha na Secretaria de Fazenda do Ministério da Economia e exerce o cargo de diretor de programa. Ele já foi secretário da Fazenda do Espírito Santo.

De saída do governo, o secretário especial do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, recebeu uma proposta em dezembro do ano passado para trabalhar em uma instituição financeira. A informação foi confirmada pelo Congresso em Foco com um interlocutor próximo do secretário.

O período coincide com a primeira vez que a saída de Mansueto foi mencionada por um integrante do governo. Na ocasião o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, foi o primeiro a falar do assunto, o que irritou o secretário do Tesouro.

Em fevereiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou temer que Mansueto deixasse o governo. "Se o cara estivesse no setor privado, estava ganhando uma fortuna, eu acho até que nós vamos perder ele brevemente."

Continuidade

Mansueto Almeida acredita que sua saída do governo não mudará o rumo do ajuste fiscal. Segundo disse em entrevistas que concedeu ao Correio Braziliense e ao Brazil Journal, o compromisso com o esforço fiscal tem como fiador o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Isso não mudará, na avaliação dele, com a entrado do seu substituto. Mansueto atribuiu sua saída ao cansaço e ao entendimento de que a agenda pós-covid-19, incluídas aí as reformas tributária e administrativa, deve ser enfrentada por um secretário do Tesouro que fique até o fim do governo Bolsonaro.

Para ele, o engessamento do orçamento federal, com despesas obrigatórias, e a existência de comitês de governança do órgão, que atuam em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU), também favorecem a continuidade do seu trabalho.

Leia a íntegra da nota do Ministério da Economia:

"O Ministério da Economia comunica que iniciou a transição no comando da Secretaria do Tesouro Nacional. O economista Bruno Funchal assumirá o cargo definitivamente em 31 de julho.

Ele é bacharel pela Universidade Federal Fluminense. É doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) - RJ, com pós-doutorado pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada - IMPA. É professor titular da FUCAPE Business School. Foi pesquisador visitante na Universidade da Pensilvânia.

Em 2017 e 2018, Funchal foi Secretário de Fazenda do Espírito Santo e um dos responsáveis pelo processo de ajuste das contas públicas. Estava no cargo quando o estado foi o único que recebeu nota A do Tesouro Nacional.

Desde o início do governo Jair Bolsonaro, ele integra a equipe da secretaria de Fazenda como diretor de programa e trabalha pelo ajuste fiscal do país. Foi um dos técnicos responsáveis para elaboração do projeto do Pacto Federativo.

O Ministério da Economia agradece a Mansueto Almeida pelo compromisso com a equipe que chegou com o novo governo e por todo trabalho realizado à frente do Tesouro Nacional em prol do reequilíbrio das contas do país." 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!