Bolsonaro fez ao menos 111 ataques à imprensa em 2019. Veja lista

A um mês de completar seu primeiro ano de governo, o presidente Jair Bolsonaro já soma pelo menos 111 ataques à imprensa em 2019, segundo levantamento da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), feito entre 1º de janeiro e 30 de novembro. Somente no último mês, foram registradas 12 ocorrências, todas classificadas como “descredibilização da imprensa”. Em média, Bolsonaro fez um ataque à imprensa a cada três dias de governo.

> Veja a lista de ataques de Bolsonaro à imprensa, segundo a Fenaj

A pesquisa considera discursos e entrevistas oficiais, que constam no site do Planalto, além dos textos postados no Twitter do presidente. O número de ataques é ainda maior, já que não são considerados os conteúdos de pronunciamentos em vídeo, como lives transmitidas pelo presidente. Diversos veículos já foram alvos dele em suas transmissões ao vivo pelas redes sociais.

> Bolsonaro abusa do poder e deve ser contido, diz Folha em editorial

Pela classificação da Fenaj, 100 ataques foram feitos para tirar a credibilidade da imprensa e 11 dirigidos diretamente a profissionais de imprensa. No último dia 22, o presidente tentou deslegitimar, pelo Twitter, o trabalho jornalístico ao dizer que “um veículo de imprensa qualquer faz sua análise e divulga suas mentiras”.

O presidente se referiu à imprensa como adversária diversas vezes ao longo do ano. No último dia 23, por exemplo, afirmou em discurso que “se a imprensa bateu, é sinal que o discurso foi bom”. No dia 27, em Manaus, o presidente falou novamente sobre a campanha eleitoral de 2018, dizendo que grande parte da mídia o fustigou com “mentiras, com calúnias ou com fake news”.

> Jair Bolsonaro volta a atacar a imprensa em live

Na avaliação da Fenaj, Bolsonaro ataca a imprensa para incitar seus seguidores a não confiarem no trabalho jornalístico, principalmente quando se divulgam notícias críticas ao governo, ou que envolvam a família Bolsonaro. Os jornalistas, observa a federação, viraram vítimas desse comportamento hostil do presidente e, diversas vezes, são ofendidos por apoiadores do presidente.

“Situação que pode agravar o comprometimento da liberdade de imprensa no país, e até culminar com agressões físicas a jornalistas. Parte dos ministros de Estado também ataca veículos e profissionais da imprensa, o que sugere um método político para tentar intimidar o trabalho jornalístico”, diz a Fenaj.

“Os ataques desmedidos ao trabalho jornalístico são também ataques à democracia. Uma imprensa que fiscalize o poder público, que abra espaço para crítica e para o contraditório é essencial para uma sociedade mais justa, que tenha garantido seu direito à informação. Um chefe de Estado deveria fortalecer esses valores, mas vemos que o presidente faz justamente o contrário”, diz Paula Zarth Padilha, diretora da Fenaj.

Em novembro, ao editar a Medida Provisória nº 905, que cria um programa de incentivo à geração de emprego para menores de 29 anos e promove uma série de mudanças nas regras trabalhistas, Bolsonaro acabou com o registro profissional dos jornalistas e de outras categorias, como radialistas e publicitários. Representantes dessas categorias têm se reunido com parlamentares para tentar derrubar esse trecho da MP.

“É fundamental a unidade e articulação com as demais entidades da classe trabalhadora para derrubar propostas como essa MP, que não visa gerar empregos, e sim aumentar os lucros dos patrões, em cima do nosso trabalho”, defende a presidente da Fenaj, Maria José Braga.

> Bolsonaro proíbe governo de assinar Folha; veja outras investidas contra a imprensa

Bolsonaro elegeu a Folha de S.Paulo e o grupo Globo como seus principais alvos na imprensa brasileira. De maneira inédita, o presidente determinou a exclusão da Folha de processo licitatório no governo e defendeu o boicote de seus seguidores a produtos anunciados pelo jornal.

Também ameaçou inviabilizar a renovação da concessão da TV Globo. Ele alega que é perseguido pelos dois grupos. Tanto a Folha quanto O Globo já publicaram editoriais condenando o comportamento do presidente em relação à imprensa e apontando os riscos de suas ameaças à democracia brasileira.

Em artigo publicado nesta segunda-feira pela Folha, o secretário de Comunicação Social da Presidência, Fabio Wajngarten, acusa o próprio jornal de liderar uma conspiração contra Bolsonaro.

> Wajngarten afirma que Folha defende conspiração contra Bolsonaro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!