Bolsonaro diz que “PF precisa dar informações” e que não “pode ser surpreendido”

O presidente Jair Bolsonaro reclamou que a Polícia Federal não repassa para ele informações de sua atuação. “Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações”, disse em reunião ministerial no dia 22 abril.

O vídeo da reunião foi divulgado nesta sexta-feira (22) após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello. A reunião foi citada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro como prova de que Bolsonaro tenta interferir politicamente na PF.

>Celso de Mello libera vídeo de reunião ministerial; leia a íntegra da transcrição

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

“Eu não vou esperar o barco começar a afundar pra tirar água. Estou tirando água, e vou continuar tirando água de todos os ministérios no tocante a isso. A pessoa tem que entender. Se não quer entender, paciência, pô! E eu tenho o poder e vou interferir em todos os ministérios, sem exceção. Nos bancos eu falo com o Paulo Guedes, se tiver que interferir. Nunca tive problema com ele, zero problema com Paulo Guedes. Agora os demais, vou! Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações”.

Em outro trecho da reunião, Bolsonaro menciona gente da “segurança no Rio de Janeiro” e reclama de atuação contra a sua família.

“Mas é a putaria o tempo todo pra me atingir, mexendo com a minha família. Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, declarou.

O presidente já havia comentado esse trecho há algumas semanas e disse que não fez nenhuma menção à Polícia Federal na reunião, mas sim à segurança presidencial.

Bolsonaro também fez menções a um sistema particular de informações, mas não especificou no que consiste esse sistema.

"Nós temos que dar exemplo e mostrar que o Brasil não é - eu sou mais educado que o Weintraub, até me poli muito, né? No linguajar que ele usou - mas não é isso que o pessoal pinta por aí. Se reunindo de madrugada, pra lá, pra cá. Sistemas de infomações: o meu funciona.  O meu particular funciona. Os ofi... que tem oficialmente, desinforma. E voltando ao ... ao tema: prefiro não ter informação do que ser desinformado por sistema de informações que eu tenho".

> Bolsonaro defendeu população armada para ir às ruas contra decretos de prefeitos e governadores

>Tropa de choque bolsonarista ataca Celso de Mello

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!