Bolsonaro ainda não sancionou revogação da Lei de Segurança Nacional. Prazo acaba nesta quarta

Encerra nesta quarta-feira (1) o prazo para que Jair Bolsonaro sancione o projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN), instituída durante o período da ditadura militar no Brasil (1964-1985). O texto a ser analisado pelo Planalto gerou descontentamento dentro das Forças Armadas, que pressionam o presidente no sentido manter a LSN.

O projeto aprovado pelo Congresso e pendente de sanção do presidente inclui no Código Penal uma série de crimes contra instituições democráticas, o funcionamento das eleições e a cidadania. Os trâmites do projeto no Congresso foram encerrados em 10 de agosto, data em que o Senado aprovou a matéria. A proposta seguiu para a sanção presidencial, que tem prazo de 15 dias úteis para a decisão, contados a partir do recebimento do documento pelo Executivo.

Nos últimos tempos, a LSN vinha sendo usada com frequência para justificar prisões em manifestações de opositores dos Poderes. Levantamento feito pelo jornal Folha de São Paulo revelou que a Polícia Federal abriu 77 inquéritos com base na LSN em 2019 e 2020.

Criada em 1983, ainda no período da ditadura militar, a LSN tinha por objetivo proteger a integridade e a soberania nacional. Um dos artigos da lei estabelecia que caluniar ou difamar os presidentes da República, do Supremo Tribunal Federal, da Câmara e do Senado poderia acarretar pena de prisão de até quatro anos.

Personalidades como o youtuber Felipe Neto e o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) foram alvos da lei depois de ataques feitos a Jair Bolsonaro e ao Supremo Tribunal Federal (STF), respectivamente.

A tensão sobre a sanção ou veto do texto aumenta com a aproximação dos protestos marcados para 7 de setembro. Caso Bolsonaro atenda aos pedidos de seus auxiliares e vete o texto, é de atribuição do Congresso manter ou derrubar o veto presidencial.

Novos crimes contra a democracia

O Projeto de Lei (PL) 2.108/2021 aprovado no Congresso trouxe um entendimento mais atualizado sobre os crimes contra a democracia, além de penas mais severas para estes. Delitos como golpe de Estado e o disparo de desinformações que possam comprometer o processo eleitoral foram incluídos na lista, pontos fortemente criticados por apoiadores do governo.

Leia abaixo os novos crimes incluídos na lista aprovada pelo Congresso:

  • Golpe de Estado

Foi definida como a tentativa de depor, através de violência ou grave ameaça, o governo legitimamente constituído. A condenação pode ser de 4 a 12 anos de prisão, que podem ser adicionadas à pena correspondente à violência.

  • Interrupção do processo eleitoral

O condenado pode pegar de 3 a 6 anos de prisão mais multa.

  • Comunicação enganosa em massa

Criminaliza a disseminação ou promoção de conteúdo enganoso, também conhecido como fake news, que tenham potencial de comprometer ou influenciar no processo eleitoral. A pena prevista é de um a cinco anos de reclusão mais multa.

  • Sabotagem de serviços essenciais

Torna crime o ato de tentar impedir o funcionamento de serviços como meios de comunicação e de estabelecimentos, instalações e serviços destinados à defesa nacional.

  • Abolição violenta do Estado democrático de direito

Tipifica o ato que impede ou restringe o exercício dos Poderes constitucionais. Fica previsto pena de 4 a 8 anos de prisão, somados à pena correspondente pela violência praticada.

> Em votação simbólica, Senado revoga Lei de Segurança Nacional

> Partidos de oposição discutem estratégia para o 7 de setembro

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo