Após ataque à imprensa, Bolsonaro recusa entrevista

O presidente Jair Bolsonaro se recusou a falar com imprensa, nesta segunda-feira (10), na saída do Palácio do Alvorada. Após acompanhar o hasteamento diário da bandeira, o presidente cumprimentou apoiadores e afirmou que não falaria com a imprensa, por conta de possíveis deturpações.

>Miliciano ligado a Flávio Bolsonaro é morto durante operação

"Pessoal, tem uma série de problemas no Brasil, gostaria de compartilhar com vocês, mas como será deturpado, isso acabará dificultando a solução. Então, lamento, mas não vou conversar nada com vocês, tá ok? O dia que vocês, com todo respeito, transmitirem a verdade, será muito salutar conversar meia hora com vocês. Problemas dos mais variados, dá para resolver. Gostaria de compartilhar, não o faço porque ao haver deturpação, a solução ficará mais difícil ou talvez impossível, então lamento não poder conversar com vocês", afirmou antes de seguir para reunião com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Esta declaração ocorre após episódio no sábado (8), em que o chefe de Executivo fez gesto obsceno para os jornalistas, na saída da residência oficial da Presidência. Na ocasião, ele criticou a cobertura sobre uma declaração dada por ele na quarta-feira (5), em que afirmou, que pessoas que vivem com HIV são custosas para o país.

"Eu falei: o que que faltou? Faltou uma mãe, uma avó que pudesse dar orientação para não começar a fazer sexo tão cedo. Qualquer pessoa com HIV é uma pessoa que, além do problema de saúde gravíssimo, que temos pena, é custoso para todo mundo. Vocês focaram que o aidético é oneroso no Brasil. Estou levando porrada de tudo quanto é grupo de pessoas que têm este problema lamentavelmente".

No ano passado segundo a Fenaj, o presidente Jair Bolsonaro atacou a imprensa pelo menos 116 vezes.

>Bolsonaro faz gesto de banana contra jornalistas e reitera fala sobre Aids

Veja o vídeo:


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!