Apagão no Amapá gera crise de abastecimento e caos. Veja vídeos

O estado do Amapá entra em colapso de abastecimento após 60 horas, quase três dias, sem acesso à energia. Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), o fornecimento de energia do estado foi interrompido após um incêndio. O fogo começou depois que um raio atingiu um transformador da Subestação de Macapá. As linhas de transmissão Laranjal/Macapá e as usinas hidrelétricas Coaracy Nunes e Ferreira Gomes foram desligadas automaticamente, segundo informações do ministério. Desta forma, 14 dos 16 municípios do estado foram afetados e enfrentam apagão desde a noite de terça-feira (3).

>Inflação é a maior nos últimos 18 anos para o mês de outubro

Neste momento, há também uma crise de abastecimento de água, de alimentos e de combustível na capital e em outras cidades do estado impactadas pela crise. Filas quilométricas para compra de combustível e de água se formam pelas cidades. O comércio está parcialmente fechado, faltam alimentos nas prateleiras e a população enfrenta também dificuldades para sacar dinheiro e lidar com o calor extremo da região, com o clima marcado por muito calor e umidade.

Segundo relatos, moradores lotam o aeroporto da capital Macapá para utilizar a energia e o ar condicionado do lugar. Vídeos mostram as prateleiras vazias nos supermercados e pessoas buscando água do rio para garantir água nas suas casas.




Segundo o senador amapaense Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que está na região, a prefeitura de Macapá decretou estado de calamidade pública, nesta quinta-feira (5), e está fornecendo caminhões pipa para a população. No entanto, segundo o parlamentar, a medida ainda é insuficiente, tendo em vista que a maior parte dos municípios do estado foram impactados pela crise.

Em um vídeo, o senador afirmou estar movendo uma ação popular na Justiça Federal solicitando que as prefeituras e governo do Estado forneçam caminhões pipas, para garantir o acesso à água e que sejam distribuídas cestas básicas para toda a população. Além disso, ele pede a investigação contra empresas responsáveis pelo fornecimento de energia da região.

"As pessoas passam a ter dificuldade de acesso a alimentos a partir do dia de hoje. A previsão é de reestabelecimento de 60% do fornecimento de energia no dia de hoje [sexta-feira, 6], mas estas providências são pungentes e imediatas", explica o senador.

Em nota, o Ministério de Minas e Energia (MME) afirmou que medidas estão sendo tomadas para que o fornecimento parcial de energia seja reestabelecido na região. Segundo o MME, membro da pasta foram enviados ao local para acompanhar a situação "in loco".

Outros parlamentares da região também da região também se pronunciaram sobre o assunto em suas redes sociais. Segundo a assessoria, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), está em Brasília e tem acompanhado a situação junto ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Em postagem no Twitter, na noite desta quinta-feira (2), o deputado Camilo Capiberibe (PSB-AP) atribuiu o apagão de dois dias a má gestão, teceu críticas a empresa responsável pelo fornecimento de energia e ao senador Davi Alcolumbre, que segundo ele, teria indicado a empresa.

>Empresários divergem sobre efeitos da possível vitória de Biden no Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!