Destaque da seleção, atacante Richarlison vira voz política entre jogadores

O atacante Richarlison, que joga no Everton, da Inglaterra, tem se destacado entre os atletas da seleção brasileira por suas manifestações políticas. Atuante nas redes sociais, o jogador de 23 anos também expressa posições políticas em entrevistas pós-jogo.

“Quando tiver uma causa importante eu sempre vou botar a cara, ainda mais jogando na seleção e na Inglaterra. Eu tenho essa visibilidade e sei que as autoridades olharão com carinho”, afirmou, durante entrevista coletiva da seleção no início de novembro.

Na última sexta (20), Dia da Consciência Negra, o atacante fez um desabafo sobre o assassinato de João Alberto Siqueira de Freitas por dois seguranças de uma unidade da rede Carrefour. “Parece que a gente não tem saída...Nem no dia da Consciência Negra. Aliás, que consciência? Mataram um homem negro espancado na frente das câmeras. Bateram e filmaram. A violência e o ódio perderam de vez o pudor e a vergonha. George Floyd, João Pedro, Evaldo Santos foram em vão?”, escreveu ele no Twitter, rede social em que conta com mais de 430 mil seguidores.

Em maio, Richarlison também se manifestou sobre dois casos de racismo nos Estados Unidos e no Brasil: o de George Floyd, homem negro estrangulado por um policial branco que ajoelhou em seu pescoço durante uma abordagem policial em maio deste ano; e o do menino João Pedro, adolescente negro baleado dentro de casa durante uma operação policial em São Gonçalo, município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no mesmo mês.

Recentemente, o jogador expressou indignação com a situação do Amapá, estado do Norte do país afetado há 20 dias por uma crise no fornecimento de energia elétrica. “Infelizmente o povo do Amapá não vai poder ver meu gol hoje pq não tem luz há DUAS SEMANAS. Estão vivendo dias muito difíceis e espero que resolvam isso logo”, escreveu ele em 17 de novembro, dia em que a seleção brasileira jogou contra o Uruguai em partida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, vencendo por 2 a 0. Um dos gols da vitória foi de Richarlison, que os dedicou aos amapaenses.

No caso Mariana Ferrer, Richarlison também manifestou repúdio à absolvição do acusado de estupro da jovem influencer. Ele também retuitou uma mensagem indignada da atriz Bruna Marquezine, que dizia “‘Estupro culposo’ pqp”.

Em abril, Richarlison foi convidado para ser embaixador da USPVida, campanha da Universidade de São Paulo (USP) voltada a ajudar a ciência universitária a encontrar soluções contra a pandemia. “O coronavírus é um inimigo invisível e perigoso”, diz ele em vídeo. Em seu site, ele pede doações para financiamento das pesquisas.

Além das posições políticas, Richarlison também usa suas redes sociais e a influência no esporte para apoiar causas sociais. Frequentemente compartilha campanhas de doações, as chamadas “vaquinhas”, para pessoas que precisam de ajuda para pagar cirurgias ou comprar roupas e alimentos.

Comparações

Apesar dessas iniciativas, Richarlison tenta adotar uma postura “low profile” e raramente cita nominalmente políticos e partidos em suas postagens e entrevistas. A posição destoa da adotada pela jogadora de vôlei de praia Carol Solberg, que foi punida com advertência pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por ter gritado “Fora, Bolsonaro durante entrevista após uma competição.

Além disso, Richarlison muitas das vezes apenas compartilha conteúdos para ajudar no engajamento, sem expor com mais detalhes seus posicionamentos pessoais.

Apelidado de “pombo” por uma dança simulando um pombo que virou sua marca registrada após comemorações de gols, Richarlison é colega e amigo de Neymar. O número 10 da seleção é frequentemente cobrado pelo silêncio em relação a episódios e protestos contra o racismo, do qual o próprio Neymar já foi vítima. Mesmo se abstendo de comentar questões sociais, Neymar já foi fotografado mais de uma vez ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

Biografia

Richarlison de Andrade nasceu em 1997 em Nova Venécia, cidade do interior do Espírito Santo. De infância humilde, Richarlison chegou a fazer “bicos” para ajudar a sustentar sua casa, como vendedor de trufas caseiras e ajudante na roça.

A carreira no futebol começou nas escolinhas de sua cidade natal. Dos campeonatos do Espírito Santo, foi levado para testes em equipes como Avaí e Figueirense. Após se destacar na série B pelo América Mineiro, o atacante foi contratado pelo Fluminense em 2015.

Em 2017, o clube carioca confirmou a venda do atacante ao Wattford, da Inglaterra, por 12,5 milhões de euros (o equivalente, na época, a R$ 46 milhões). Em 2018, Richarlison foi contratado pelo Everton e disputou amistosos com a seleção brasileira. Tem 21 jogos e sete gols pela seleção.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!