Viúva de Marielle diz que especulações só desgastam investigação

Viúva de Marielle Franco, a arquiteta Mônica Benício evitou comentar a notícia de que um delegado da Polícia Federal foi acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de criar uma “central de mutretas” para obstruir as investigações sobre a morte da vereadora carioca. Ela acredita que especulações só criam mais desgaste para o caso. Por isso, quer que, ao invés de novas especulações, a Justiça apresente respostas sobre a morte de Marielle.

> Juízes já são ameaçados com a Lei de Abuso de Autoridade, dizem magistrados

“Minha preocupação com esse caso é que a gente chegue à solução, à resposta real, tanto de quem matou, quanto de quem mandou matar Marielle. Então, eu prefiro não especular”, afirmou Mônica Benício, argumentando que “muita especulação gera um desgaste e um desconforto para o campo emocional e para o próprio processo”. “Quanto mais desgaste nesse sentido, pior para o processo”, finalizou Mônica, lembrando que a morte de Marielle aguarda uma resposta há mais de um ano e meio.

Mônica disse ainda que o fato de que as investigações foram proteladas “não gera grande surpresa”. O problema, para ela, é que nada ainda foi comprovado. “Não tem como se posicionar sobre especulações. O que tem que ser feito é ser provado. […] Certeza quem tem que me dar é a Justiça, quando provar o que se deu de fato”, afirmou.

Por conta disso, Mônica entrou com um pedido de vista no Superior Tribunal de Justiça para ter acesso ao processo em que Raquel Dodge, no seu último dia à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR), pediu a federalização do caso de Marielle. A ideia é ter conhecimento de todos os elementos que estão dentro desse processo, inclusive as motivações de Dodge para o pedido de federalização, para aí sim se posicionar sobre o caso. Afinal, ressalta Mônica, o pedido de federalização já surpreendeu e desgastou a família de Marielle.

“O pedido de federalização, feito a essa altura do processo e sem diálogo com as famílias, gerou muito desconforto e preocupações. Depois de tanta demora, as famílias não merecem ser surpreendidas desta maneira, sendo informadas através da imprensa. Tenho preocupações que este pedido gere ainda mais atrasos no andamento do processo, que já está em fase de interrogatório dos presos. Também me preocupa que o pedido retire o trabalho das instituições estaduais, como o Ministério Público e a Defensoria Pública, numa fase em que são necessários todos os esforços para concluir o caso tanto em relação aos executores quanto aos mandantes”, desabafou Mônica.

 

> Pacote anticrime de Moro recebe R$ 10 milhões em propaganda federal

> Entre agora no Catarse para colaborar  com o jornalismo independente

assassinato de mariellecaso MarielleMariellemarielle francoMônica Benício