Violência contra jornalistas na América aumentou em 2015, diz comissão da OEA

Comissão Interamericana de Direitos Humanos informou que pelo menos 27 jornalistas foram assassinados no exercício da profissão. Relatório da Liberdade de Expressão da Comissão traz ainda 12 casos em que não foi possível determinar o vínculo com a profissão.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos,  órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), denunciou hoje (23) que em 2015 aumentou a violência contra os profissionais de comunicação na América e informou que pelo menos 27 jornalistas foram assassinados no exercício da profissão.

“O continente tornou-se uma das regiões mais perigosas do mundo para exercer o jornalismo e as agressões mais graves, como o assassinato e o rapto, tornaram-se uma das piores formas de censura”, diz a comissão no seu relatório anual sobre a liberdade de expressão.

No Relatório da Liberdade de Expressão da Comissão exprimiu-se a preocupação pelos 27 assassinatos de jornalistas “em circunstâncias que poderiam estar relacionadas com a sua profissão”, além de mais 12 casos em que não foi possível determinar o vínculo com a profissão.

A comissão, com sede em Washington, considerou “alarmante” que, pelo terceiro ano consecutivo, tenha crescido o número de assassinatos de jornalistas, uma vez que em 2014 foram registrados 25 homicídios e 18 em 2013.

Os países que em 2015 registaram assassinatos de jornalistas foram Brasil, Honduras, México, Colômbia, Guatemala, República Dominicana, Estados Unidos e Paraguai. Na sua maioria, os jornalistas assassinados cobriam temas relacionados com o crime organizado, a corrupção política ou eram vozes firmes em suas comunidades.

“Mantêm-se elevados índices de impunidade em muitos países, apesar da identificação dos autores materiais e morais destes crimes, o que provoca um efeito inibitório generalizado, que limita o direito à liberdade de expressão em zonas inteiras do continente”, lamentou a comissão.

A organização criticou também “a resposta desmensurada” de vários países ao exercício do direito de manifestação e protesto, uma vez que em muitos casos as autoridades fizeram um “uso desproporcionado” da força para calar os manifestantes.

Mais sobre direitos humanos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!