Vídeo: Parada LGBTS pede regulamentação de lei

"Essa lei foi aprovada em 2000, já estamos em 2016. Nós, do movimento LGBT vimos Roriz, Arruda, Agnelo e agora o Rollemberg, que é autor da lei. Precisamos da regulamentação para que tenha mais cidadania LGBT no DF", explicam os organizadores. Mais de 15 mil pessoas acompanharam 19ª Parada do Orgulho LGBTS de Brasília

Durante toda a tarde deste domingo (26) aconteceu a 19ª Parada do Orgulho LGBTS (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Simpatizantes) em Brasília, na Esplanada dos Ministérios. O evento pede celeridade na regulamentação da Lei 2615/2000, de autoria da ex-deputada Maria José Maninha e co-autoria do atual governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg. Este é o principal questionamento feito pela organização do evento, que afirma esperar 16 anos pela especificação e detalhamento das disposições gerais da lei, de forma a viabilizar sua aplicação em casos específicos. Uma das disposições, por exemplo, prevê multa em dinheiro para crimes de homofobia.

"Estamos aqui para exigir do governador Rodrigo Rollemberg a regulamentação da Lei 2615. Essa lei foi aprovada em 2000, já estamos em 2016. Nós, do movimento LGBT vimos Roriz, Arruda, Agnelo e agora o Rollemberg, que é autor da lei. Precisamos da regulamentação para que tenha mais cidadania LGBT no DF. A partir dessa lei, um shopping que discrimina um LGBT pode ser até fechado, definitivamente. A lei está em vigor, pode ser usada por nós, mas precisamos de mais detalhes. Estamos pressionando. O nosso foco hoje é Rollemberg”, disse um dos organizadores, ainda no início da Parada (escute no vídeo ao fim da matéria).

Outra reivindicação da organização foi a de "não mencionar nomes de políticos homofóbicos". De acordo com eles, a Parada não seria utilizada para dar espaço aos parlamentares que criticam a causa.

No último boletim da Polícia Militar, divulgado às 18h30, a corporação estimava cerca de 15 mil pessoas no local. No gramado em frente ao Congresso Nacional, trios elétricos com muita música e cores animavam os presentes. Os organizadores também criaram um espaço de atendimento que realiza o teste do vírus HIV em até 20 minutos.

Delegacia

Em abril deste ano o Distrito Federal ganhou a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin). Localizado no Complexo da Polícia Civil, próximo ao Parque da Cidade, o espaço foi criado para facilitar o atendimento às vítimas de violência ou preconceito por orientação sexual.

A bandeira

A conhecida bandeira com o arco-íris já é identificada em todo o mundo com o orgulho LGBTS. Foi criada em 1978 para a Parada Gay de São Francisco, nos Estados Unidos, pelo artista Gilbert Baker. Formada por seis listras horizontais de cores diferentes, seu objetivo é representar a diversidade humana em todos os seus aspectos.

Cada cor da bandeira tem um significado: vermelho (luz), laranja (cura), amarelo (sol), verde (calma), azul (arte) e lilás (espírito). A versão original do símbolo contava com oito cores (além das mencionadas ainda havia rosa e anil, representando, respectivamente, a sexualidade e a harmonia).

 

 

Mais sobre LGBT

Mais sobre direitos humanos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!