Vídeo: Meirelles cochila enquanto Temer discursa no Mercosul

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não deve ter apreciado o discurso do presidente Michel Temer durante a 50ª Cúpula do Mercosul, encontro realizado na manhã desta sexta-feira (21) em Mendoza, na Argentina. Responsável pela execução da política macroeconômica, Meirelles cochilou por ao menos três vezes enquanto o peemedebista falava – na terceira, Temer flagrou o colega de Executivo dormindo, literalmente (veja abaixo, em torno dos 52 segundos de vídeo), mas preferiu preservar o sono de Meirelles e não o acordou. Ao todo, foram 44 segundos de “pesca”.

Temer diz na Argentina que população entenderá reajuste na gasolina: “Este é um governo que não mente”

A reportagem não se importou em perder 44 segundos de seu tempo para facilitar a vida do internauta. As cochiladas do ministro podem ser vistas entre os segundos 3 e 13; 22 e 32; e entre 35 e 59. Lendo trechos de seu discurso, Temer relatava providências tomadas pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), sobre negociações bilaterais na Holanda. Aos 51 segundos do vídeo, o peemedebista flagra Meirelles vencido pelo sono.

Veja o momento cochilo de Meirelles:

 

“Fui informado pelo ministro Aloysio Nunes de que já escolhemos dois consulados brasileiros para inciar o Programa Vancouver, em Amsterdã. Se me permitem, eu proponho que o mesmo façamos com os demais países integrantes do Mercosul. Quem sabe podemos também trocar fórmulas de trabalho com todos os país do Mercosul, tal como hoje estamos fazendo com a Argentina. Trata-se, portanto, de verdadeira mudança de paradigma quando avançamos no livre comércio, quando identificamos conjuntamente quase 80 entraves, de distinta natureza, às trocas dentro do Mercosul. Menos barreiras significam mais comércio, mais riqueza, mais empregos de qualidade”, diz Temer, no trecho do discurso muito parcialmente captado por Meirelles.

O cochilo do ministro, claro, não foi perdoado nas redes sociais. Tão logo o vídeo, reproduzido a partir de transmissão da TV governamental NBR, veio a público, anônimos e famosos passaram a zombar do deslize de Meirelles, em uma avalanche de memes, piadas e gifs nas redes sociais. O ex-presidente Lula, um dos primeiros a debochar do episódio, usou a própria experiência como ex-chefe de Estado para puxar a brasa para a própria sardinha.

 

 

Há 11 anos: Lula aproveitou para dizer que, quando era presidente, ninguém dormia durante seus discursos

 

“Há exatos 11 anos: ninguém dormia na reunião da Cúpula do Mercosul”, escreveu o petista no Twitter, com foto reunindo outros chefes de Estado à época.

 

Meme sobre o cochilo de Meirelles ganhou as redes rapidamente

 

Líder do PCdoB no Senado, Vanessa Grazziotin (AM) também recorreu ao microblog para ironizar a situação. “Nem o MeireleszZz aguenta mais os discursos de Temer”, brincou a senadora, colocando três “emojis do sono” ao lado da frase.

Mais impostos

À parte o cochilo do ministro, mais cedo o governo anunciou que o aumento das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol (que não era taxado) resultará em uma arrecadação no valor de R$ 10,4 bilhões até o final deste ano. O anúncio das medidas foi realizado na manhã desta sexta-feira (21), no Ministério do Planejamento, e coube ao secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, afirmar que o governo precisou utilizar “as alíquotas máximas previstas em lei”.

“Isso acarretará em um ganho da ordem de 10,4 bilhões, a contar a partir de hoje até o final do ano. É uma medida importante tendo em vista o equilíbrio das contas”, afirmou Rachid. O aval do governo na tributação sobre o combustível elevará R$ 0,41 no litro no preço da gasolina, enquanto a tributação sobre o diesel subirá em R$ 0,21 e ficará a R$ 0,46 o litro do combustível. Já a tributação sobre o etanol subirá R$ 0,20 por litro.

* Colaborou Isabella Macedo

Leia também:

Vídeo: Temer volta a cometer gafes no exterior e diz que governo tem feito “voltar o desemprego”

“Crise econômica no Brasil não existe”, diz Temer na Alemanha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!