Vídeo: Clarissa Garotinho chora em plenário e denuncia abuso de poder na prisão do pai

Foi o primeiro pronunciamento da deputada em plenário depois da prisão do ex-governador Anthony Garotinho. “Senhor presidente, o senhor não tem noção do que vivenciamos”, disse Clarissa, aos prantos, ao deputado Manato, que presidia a sessão

Expulsa do PR ontem (segunda, 21), a deputada Clarissa Garotinho (sem partido-RJ) chorou no Plenário da Câmara nesta terça-feira (22) ao falar sobre a prisão de seu pai, o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, e dizer que houve abuso de autoridade no caso. Na última quinta-feira (17), ao saber que o pai seria levado de um hospital para o presídio de Bangu, Clarissa já havia se revoltado com a situação: ela e sua mãe, Rosinha Garotinha (PR), atual prefeita de Campos (RJ), imploraram aos agentes policiais que não retirassem o ex-governador do hospital devido à sua situação médica.

Um vídeo mostra o exato momento em que agentes levam Garotinho até a ambulância que o encaminhou para a cadeia: “Meu pai não é bandido”, repetiu várias vezes Clarissa, aos prantos.

Hoje (terça, 22), Clarissa voltou a se emocionar ao falar do pai – agora em Brasília, diante de seus pares na Câmara. “Meu pai foi submetido a um cateterismo, ele colocou um stent [dilatador de artéria]. Esse estresse todo, desnecessário, ao qual ele foi submetido, ele poderia ter infartado. E quem iria responder pela vida dele, senhor presidente? Quem?”, protestou a deputada, emocionando-se ao receber a solidariedade do deputado Manato (SD-ES).

“Senhor presidente, o senhor não tem noção do que vivenciamos. Não podemos mais permitir mais, no Brasil, esse tipo de coisa, esse tipo de desumanidade”, acrescentou a deputada, passando a denunciar o juiz responsável pela prisão de Garotinho – Clarissa disse que ele agiu “de maneira criminosa” ao vazar conversa entre Garotinho e seu advogado.

Veja o momento em que Clarissa chora em plenário:

Garotinho foi preso na última quarta-feira (16), acusado de coagir testemunhas e tentar comprar milhares de votos com a distribuição do Cheque-Cidadão, um programa social destinado a pessoas de baixa renda em Campos, em troca de votos para a eleição de aliados políticos. A defesa alega que ele é inocente e que a prisão é arbitrária e ilegal.

No Complexo Penitenciário de Bangu, onde Garotinho chegou a ficar detido, está preso desde terça-feira (15) outro ex-governador do Rio de Janeiro: acusado de liderar um grupo suspeito de ter desviado mais de R$ 220 milhões dos cofres públicos, Sérgio Cabral (PMDB) havia renunciado em abril de 2014 em meio a acusações de corrupção e manifestações populares diárias no estado.

Na ocasião, a página de Garotinho na internet comemorou a prisão de Cabral. Os dois são desafetos políticos.

Mais sobre Anthony Garotinho

Mais sobre corrupção

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!