Vice-governador do DF falta à acareação com sindicalista na CPI da Saúde

Segundo Renato Santana, não há mais o que falar sobre as denúncias de pagamento de propina na Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Ele estaria frente a frente com a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, que gravou diálogos denunciando o esquema

O vice-governador do Distrito Federal, Renato Santana (PSD), não compareceu à reunião da CPI da Saúde nesta segunda-feira (15). O encontro seria marcado pela acareação entre Santana e a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, que gravou áudios do vice-governador falando de propina em contratos da Secretaria de Saúde.

Santana afirmou que já esclareceu tudo o que sabe em relação ao caso e não precisa mais comparecer à Casa. A ausência foi justificada pelo advogado do vice-governador. Marli, por sua vez, esteve na Câmara Legislativa na manhã de hoje para a reunião - prevista para ser realizada no plenário e não na sala de comissões em função da importância do assunto.

Entenda o caso: Governador do DF enfrenta crise política e de gestão

De acordo com integrantes da CPI da Saúde, a assessoria da vice-governadoria havia confirmado a participação de Santana. O deputado Wasny de Roure (PT) afirmou que a ausência de Santana prejudica os trabalhos. "Quando não temos o poder de convidá-lo ficamos impedidos de esclarecer os vários encontros que ele teve com a Marli” , lamentou o deputado petista.

Esta é a segunda audiência frustrada da CPI da Saúde. Na semana passada, o ex-subsecretário de Logística e Infraestrutura da Secretaria de Saúde, Marco Antônio Ferreira da Silveira Júnior, manteve-se em silêncio durante seu depoimento - amparado pelo direito de só falar em juízo.

Depoimento

Em seu depoimento à CPI da Saúde, Renato Santana relatou que recebe inúmeras denúncias diariamente sobre problemas do governo – e sempre as repassa para as autoridades competentes. Ele afirmou que não se referiu, na gravação com Marli, a desvios na saúde, mas sim na Secretaria de Fazenda. “Recebi de empresários a denúncia de que havia agentes públicos na Secretaria de Fazenda cobrando benefícios para facilitar pagamentos junto à pasta”, relatou.

O vice-governador, porém, disse que as denúncias a que teve acesso dizem respeito a contratos com produtores culturais – que lhe falaram do problema. Na ocasião, o pedido de propina foi feito a empresários que produziram eventos como o réveillon, o Fifa Fan Fest, durante a Copa de 2014, e o Motocapital, evento de motociclistas que acontece anualmente na cidade e reúne cerca de 500 mil pessoas.

Renato Santana ainda repudiou as acusações de Marli – com quem ele diz não ter nenhuma relação, além da política. Contou ainda que quando foi gravado pela sindicalista, encontrou com ela na casa de um amigo que estava enfermo no momento da visita.

Mais sobre o Distrito Federal

Mais sobre corrupção

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!