Sucessão na Câmara: Marcelo Castro negocia apoio de PT e PCdoB na reta final da disputa

Ex-ministro de Dilma, deputado se reuniu com Temer para comunicar a indicação e, ao mesmo tempo, amenizar o constrangimento criado no PMDB com a escolha. Até o momento, 12 candidatos estão na mais concorrida disputa ao comando da Casa em todos os tempos

O deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), escolhido pela bancada do partido como candidato oficial da legenda ao mandato tampão para a presidência da Câmara, negocia o apoio do PT e do PCdoB à sua candidatura. Alguns deputados petistas já confirmaram a decisão, mas preferem ainda não oficializar para evitar arestas com eleitores de castro que são de outros partidos. O PCdoB, antes simpático á candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ), também já admite apoiar Castro. Os dois partidos identificam no deputado peemedebista o nome anti-Eduardo Cunha competitivo, com possibilidade de derrotar o "centrão", grupo suprapartidário que atua como uma espécie de base de apoio do ex-presidente.

Ex-ministro da Saúde da presidente afastada Dilma Rousseff, Castro ficou até o último dia no cargo e deixou a pasta para reassumir o mandato e, assim, poder votar contra o afastamento da petista. No início da tarde desta terça-feira (12), Castro foi ao Palácio do Planalto para uma reunião com o presidente interino, Michel Temer. Foi comunicar que será candidato à presidência da Câmara e, ao mesmo tempo, amenizar o constrangimento criado no PMDB com a sua escolha para disputar o comando da Casa.

Acirramento

Pouco mais de 24 horas antes da votação para a escolha do substituto de Cunha, a Mesa Diretora já contabiliza o registro de 12 parlamentares (veja lista abaixo).

Os deputados interessados em participar da disputa têm até 12h desta quarta-feira (13) para oficializar as candidaturas. Ainda são esperados os registros de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Beto Mansur (PRB-SP). Até as 12h desta terça-feira (12), o último a formalizar a candidatura foi o vice-líder do PV, Evair Vieira de Melo (ES). Mas, no transcorrer da tarde, Espiridião Amin (PP-SC) também entrou no páreo.

Além da campanha nos bastidores da Congresso e a influência discreta do Palácio do Planalto, os candidatos à vaga deixada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou ao posto na última quinta-feira (7), distribuem panfletos e pedem votos nos corredores e salões da Câmara.

Em meio a muita polêmica e expectativa, a eleição está marcada para as 16h de amanhã, com chances de avançar madrugada adentro. Até uma hora antes da votação, os candidatos registrados podem desistir de ter o nome disponível na urna eletrônica. Quem for eleito, ficará no cargo até fevereiro de 2017, quando a Câmara fará uma nova eleição para Mesa Diretora.

Para ser eleito em primeiro turno, o candidato precisa ao menos da maioria absoluta dos votos (metade mais um), desde que haja quorum mínimo de 257 deputados presentes, do total de 513. Caso o número não seja alcançado, haverá segundo turno. A votação é fechada, ou seja, sem possibilidade de revelação sobre como cada congressista votou.

Veja a lista das candidaturas oficiais:

Fausto Pinato (PP-SP)

Carlos Henrique Gaguim (PTN-TO)

Carlos Manato (SD-ES) - corregedor da Câmara

Marcelo Castro (PMDB-PI)

Fábio Ramalho (PMDB-MG)

Heráclito Fortes (PSB-PI)

Giacobo (PR-PR) - 2º vice-presidente da Câmara

Cristiane Brasil (PTB-RJ) - Filha do ex-deputado e delator do mensalão, Roberto Jefferson.

Luiza Erundina (Psol-SP) - Primeira mulher prefeita da cidade de São Paulo e está no quinto mandato na Câmara

Rogério Rosso (PSD-DF) - Foi presidente da Comissão do Impeachment na Câmara e tem o apoio do centrão.

Evair Vieira Mole (PV-ES)

Esperidião Amin (PP-SC)

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!