Veja quais são os problemas dos candidatos na justiça

Abaixo, as ações judiciais contra os candidatos a prefeito nas capitais no segundo turno

BELÉM (PA)
Edmilson Rodrigues (Psol)
São quatro ações civis públicas na 1ª instância por improbidade administrativa. Todas são de autoria do Ministério Público Federal e foram formalizadas entre outubro de 2010 e julho de 2011, período em que atua como deputado estadual pelo Pará.
A assessoria do candidato enviou a seguinte resposta:
"A Frente Belém nas Mãos do Povo (PSOL-PCdoB-PSTU) informa que o candidato a prefeito da coligação, Edmilson Rodrigues, teve os oito anos de mandato (de 1997 a 2004) integralmente aprovados pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), conforme a certidão que pode ser consultada no site de campanha.
O candidato do PSOL aguarda com serenidade que seja citado para se defender nas ações movidas contra ele, pois tem absoluta convicção da honestidade, transparência e lisura no trato do patrimônio público que foram características fundamentais de seus dois mandato à frente da prefeitura de Belém.
Ressalte-se, por fim, que não há condenação, em quaisquer instâncias, em desfavor do candidato Edmilson Rodrigues".

CUIABÁ (MT)
Mauro Mendes (PSB)
Responde a duas Ações Penais na 1ª instância – AP 712613 e AP 460203. O Tribunal não fornece mais informações sobre os processos. O candidato também responde a três processos civis e do trabalho na Comarca de Cuiabá.

CAMPO GRANDE (MS)
Edson Girotto (PMDB)
Responde à Ação Penal 605 por denunciação caluniosa. Segundo declarou ao Tribunal Superior Eleitoral, há um processo em que é réu tramitando em segredo na Justiça Estadual de Mato Grosso do Sul. O candidato não respondeu aos contatos do site.

CURITIBA (PR)
Ratinho Júnior (PSC)
O candidato responde a três inquéritos no Supremo Tribunal Federal – inquérito 3345, por crime eleitoral e inquéritos 3357 e 3263, por Propaganda Eleitoral. O candidato não respondeu aos contatos do site.

JOÃO PESSOA (PB)

Cicero Lucena (PSDB)
Cicero Lucena, primeiro-secretário do Senado, é réu em cinco investigações por crimes contra a Lei de Licitações. Quatro inquéritos foram abertos: nº 2527 em 03 de maio de 2007, que tramita em segredo de Justiça; nº 2918 aberto em 26 de fevereiro de 2010; nº 3343 e nº 3347, ambos abertos em 27 de outubro de 2011. O senador também responde à Ação Penal 493. As investigações remontam à gestão de Cícero como prefeito de João Pessoa (1997 a 2004). Ele chegou a ser preso, em 2005, na Operação Confraria, acusado de contratar mais de R$ 100 milhões em obras sem a devida licitação.

MACAPÁ (AP)
Roberto (PDT)
O candidato responde a uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa. O processo ainda está em fase inicial. A assessoria de Roberto não respondeu aos contatos do Congresso em Foco.

MANAUS (AM)
Vanessa Grazziotin (PCdoB)
Investigada no Inquérito 3368, por crimes eleitorais. Segundo sua defesa, "o inquérito decorre do pleito eleitoral de 2010, em que o Ministério Público Eleitoral do Amazonas ingressou com diversas ações (representação/impugnação de mandato) acerca dos mesmos fatos, diversos já rechaçados pela própria justiça eleitoral. O Tribunal Regional Eleitoral do estado se julgou incompetente para apreciar esse inquérito, pois em tese, poderia caracterizar crime eleitoral. Em razão do foro privilegiado da parlamentar".

PORTO VELHO (RO)
Lindomar Garçon (PV)
O candidato responde a uma ação civil pública por improbidade administrativa na Justiça Federal de 1ª Instância de Porto Velho. A assessoria de Lindomar Garçom não respondeu aos contatos do Congresso em Foco.
Mauro Nazif (PSB)
De acordo com as informações do Tribunal de Justiça de Rondônia, o candidato responde a três processos que tramitam em segredo de Justiça na 1ª instância. A assessoria de Mauro Nazif não respondeu aos contatos do Congresso em Foco.

RIO BRANCO (AC)
Marcus Alexandre (PT)
Segundo informações prestadas por Marcus Alexandre ao Tribunal Superior Eleitoral, ele responde a uma Ação Civil Pública por Improbidade Administrativa, proposta pelo Ministério Público Federal. O processo está na 1ª instância da Justiça Federal do Acre.

SÃO PAULO (SP)
José Serra (PSDB)
Há uma ação popular por atos administrativos aberta em 19 de outubro deste ano. A defesa do candidato afirmou que ainda não foram notificados sobre o processo e que, considerando o período deve ser apenas algo com cunho de atrapalhar a campanha eleitoral.

TERESINA (PI)
Firmino Filho (PSDB)
S
egundo informações declaradas pelo candidato ao Tribunal Superior Eleitoral, ele responde a duas Ações Civis Públicas por improbidade administrativa, ambos abertas pelo Ministério Público do Estado do Piauí, uma em abril de 2006 e a outra, em junho de 2011.
Firmino também é réu em um inquérito policial, de autoria do Ministério Público em outubro de 2010. A informação é do Tribunal de Justiça do Piauí. O candidato não respondeu aos contatos do site.

Quase metade dos candidatos responde a processo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!