Veja os documentos sobre o detetive do Banco Safra

Reportagem da Revista Congresso em Foco mostra que investigador a serviço do Safra foi preso em flagrante com armas e munições após seguir funcionário de empresa que briga na Justiça contra o banco

Veja aqui a reportagem “O lado oculto da banca” (página 28)

Documento 1.
Declarações das gerentes do Safra em Campinas Denise Artem e Marilene Spadaccia afirmando que os contratos com vários clientes eram assinados em branco. Denise acrescenta que os contratos dos Gobbo tiveram a taxa de juros duplicada fraudulentamente.

Documento 2.
Laudo da perita judicial Marlene Braz, que afirma que os Gobbo nada devem ao Safra e, na verdade, são credores de R$ 311 mil. Ao contrário, laudo de perito contratado pelo banco diz que as taxas de juros seguiam a média do mercado.

Documento 3.
Respostas do Banco Central a deputados federais afirmando que a denúncia da família Gobbo foi considerada “procedente”, mas o BC nada fará contra o Safra por tratar-se de caso “isolado” e para o qual já houve excesso de prazo (prescrição).

Documento 4.
Boletim de ocorrência da prisão de Jéfferson Fiúza, em que ele afirma trabalhar “informalmente” para o Safra. Ao esclarecer para que serviam as armas e munições encontradas, diz, por exemplo, que as algemas servem-no porque ele tem “fetiche sexual”.

Documento 5.
Reportagem da TVB Record de Campinas feita no dia do flagrante, em que o policial Alexander Amorim, que prendeu Fiúza, disse não saber o "teor total da história" que envolve o investigador, o Safra e a família Gobbo.

Entenda a história completa: Compre aqui e leia a Revista Congresso em Foco.

Banco usa detetive armado para seguir ex-clientes

Curta o Congresso em Foco no facebook
Siga o Congresso em Foco no twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!