Vaquinha para viagens de Dilma arrecada R$ 80 mil em cinco horas

Valor representa 10% da meta de R$ 500 mil estipulada pela presidente afastada para reembolsar Força Aérea Brasileira por deslocamentos pelo país

Duas amigas da presidente Dilma Rousseff criaram nesta quarta-feira (29) uma vaquinha online para arrecadar fundos para pagar as viagens de Dilma pelo Brasil. Guiomar Lopes e Celeste Martins, que lutaram com a presidente afastada na ditadura militar, contam que são amigas de longa data de Dilma e querem ajudá-la a seguir na "resistência" por seu mandato. "Achamos importante abrir uma conta onde as pessoas pudessem fazer doações e haver disponibilidade de recursos que a presidenta pudesse usar para as suas viagens," afirma Guiomar.

O objetivo da campanha é arrecadar R$ 500 mil. São aceitas doações a partir de R$ 10. Cada colaboração é recompensada com uma citação no site de Dilma, uma foto oficial autografada em versão digital e um vídeo de agradecimento da petista. Independente do valor doado, as recompensas são sempre as mesmas. Segundo a propaganda da vaquinha, a presidente "precisa viajar pelo Brasil" para "mostrar que o impeachment é fraudulento".

A polêmica sobre as viagens de Dilma começou quando o presidente interino Michel Temer limitou o transporte de Dilma pela Força Aérea Brasileira (FAB). Temer restringiu os deslocamentos da petista, por meio da FAB, apenas ao trecho entre Brasília e Porto Alegre, onde moram os familiares da presidente afastada.

Dilma chegou a viajar em aviões de carreira, porém, a Justiça Federal revogou da decisão de Temer e autorizou a presidente a usar as aeronaves da FAB - desde que ela reembolse os gastos da União com os deslocamentos.

O site que a equipe de Dilma usou para promover a campanha cobra uma taxa de 13% do valor arrecadado pelas campanhas. Os impostos consomem mais 4% deste montante. Ao final, Dilma poderá usar 83% da verba recebida por meio das doações.

Conta

A conta das viagens de Dilma foi repassada a PT, mas o elevado custo dos deslocamentos impediu o partido de custear as andanças da presidente. Normalmente, ela viaja com pelo menos dez assessores, entre médico, jornalistas, fotógrafo e seguranças. Até agora, o partido bancou apenas uma viagem da presidente, há duas semanas, para um encontro com intelectuais em Campinas. A dificuldade financeira já fez Dilma faltar a compromissos, como o lançamento de um livro sobre o impeachment em São Paulo na semana passada.

Mais sobre o impeachment

Mais sobre Dilma

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!