Vaccari fez 44 visitas a executivos da Andrade Gutierrez

Relatório de inteligência da Polícia Federal aponta 27 visitas ao presidente da empresa, Otávio Marques e 17 encontros com o presidente da global AG Energia, Flávio David Barra, preso nesta terça-feira

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto esteve 44 vezes na sede da empreiteira Andrade Guiterrez, em São Paulo, entre novembro de 2007 e julho de 2014, aponta relatório de inteligência da Polícia Federal (PF). O documento foi anexado aos autos da 16ª fase da Operação Lava Jato, realizada nesta terça-feira (28). Para o Ministério Público Federal (MPF), existem indícios de que Vaccari visitou representantes da empreiteira para negociar propinas a serem destinadas ao PT.

Segundo o relatório da PF, Vaccari teve 27 encontros com o presidente da construtora, Otávio Marques de Azevedo, entre os dias 11 de novembro de 2007 e 7 de julho do ano passado. As outras 17 reuniões ocorreram com o atual presidente da global Andrade Gutierrez Energia, Flávio David Barra, entre 2 de julho de 2012 e 24 de maio de 2013. “Seus encontros com Flávio Barra e Otávio Marques servem para demonstrar que são fortes os indícios de que a Andrade Gutierrez utilizava o pagamento de propinas como modelo de negócio”, afirmou o Ministério Público Federal sobre as visitas de Vaccari à sede da Andrade Gutierrez.

Otávio Marques foi preso pela PF no dia 19 de junho, na 14ª fase da Operação Lava Jato, batizada de “Erga Omnes”. Na sexta-feira da semana passada (24), ele foi denunciado pelo MPF por crimes como corrupção ativa, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa, suspeito de envolvimento no esquema de desvios de recursos na Petrobras. Hoje, ele cumpre a prisão preventiva no Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Já Flávio David Barra foi detido temporariamente pela PF durante a 16ª fase da Lava Jato, denominada Radioatividade. Barra é suspeito de negociar o pagamento de propina para a obtenção de contratos para a construção da Usina Angra 3, no Rio de Janeiro. O diretor-presidente licenciado da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, também foi preso nesta terça-feira (28), acusado de receber R$ 4,5 milhões da empreiteira.

Pelas investigações do MPF, existem indícios de que o PT também recebeu recursos desviados de obras do governo federal no setor energético, em uma situação semelhante ao que acontecia na Petrobras.

A defesa do ex-tesoureiro do PT negou qualquer ilegalidade na obtenção de recursos ao partido. “Se essas visitas ocorreram, algo que ainda não posso confirmar oficialmente, era algo típico da função do Vaccari. Afinal ele precisava ter contatos com os empresários para a obtenção de recursos ao partido. Todas as doações foram obtidas de forma legal, com recibos e notas fiscais apresentadas à Justiça Eleitoral”, disse o advogado Luiz Flávio Borges D’Urso, defensor do ex-tesoureiro do PT.

Já a empresa Andrade Gutierrez afirmou em nota oficial nesta segunda-feira que acompanha as investigações e que está à disposição da Justiça.

Nesta terça-feira, a PF desencadeou a 16ª fase da Operação Lava Jato para apurar a formação de cartel e o prévio ajustamento de licitações nas obras da usina nuclear Angra 3, além do pagamento indevido de vantagens financeiras a funcionários da estatal. Cerca de 180 policiais federais cumprem 30 mandados judiciais desde o início da manhã. As ações ocorrem em Brasília, no Rio de Janeiro, em Niterói, São Paulo e Barueri (SP).

 

 

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo