“Vossa excelência soltou Dirceu”, diz Gilmar; “Vossa excelência não trabalha com a verdade”, rebate Barroso

 

O ministro Gilmar Mendes voltou a protagonizar, nesta quinta-feira (26), uma áspera discussão no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Desta vez o duelo verbal foi travado com o colega Luís Roberto Barroso – que, a exemplo de figuras como o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, com quem Gilmar se estranhou mais de uma vez, acusou o interlocutor de julgar de maneira indevida (veja o vídeo abaixo).

<< Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa batem boca no STF

<< Gilmar manda soltar de novo empresário de cuja filha foi padrinho de casamento; ministro nega relação com investigado

O plenário havia se reunido para julgar uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) questionando a extinção dos tribunais de contas de municípios do Ceará. O fim dos órgãos de fiscalização foi imposto por aprovação de proposta de emenda à Constituição estadual. Mas, mesmo diante de sua complexidade, o tema foi substituído pelo bate-boca entre Mendes e Barroso, quando o primeiro disse que o Rio de Janeiro utiliza recursos de depósitos judiciais para pagar precatórios – procedimento interrompido por Gilmar, em fevereiro, e reativado por Barroso, em junho.

A menção ao Rio por Gilmar deu início à troca de ofensas: "Não sei para que, hoje, o Rio de Janeiro é modelo. Mas, à época, se disse: devíamos seguir o modelo do Rio de Janeiro. Gente, citar o Rio de Janeiro como exemplo"...

 

Reprodução

Gilmar rebate Barroso e diz que, “cumprindo a Constituição”, livra da cadeia investigados ricos

 

Barroso retruca a alfinetada do colega: "Vossa Excelência deve achar que é Mato Grosso, onde está todo mundo preso", disse Barroso, nascido no Rio, provocando a pronta reação de Gilmar, mato-grossense. "Não, é no Rio de Janeiro mesmo. Ah, e no Rio não estão?", questionou. "Aliás, nós prendemos. Tem gente que solta", replicou Barroso.

<< Gilmar Mendes solta empresário de cuja filha foi padrinho de casamento

Foi o ensejo para Gilmar dizer que o colega havia libertado da cadeia José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil em parte do governo Lula (2003-2010) e condenado tanto no mensalão quando no petrolão. "Solta cumprindo a Constituição. Vossa excelência, quando chegou aqui, soltou José Dirceu...", continuou Gilmar. "Porque ele recebeu indulto do presidente da República!", protestou Barroso, vendo o interlocutor acirrar o debate. "Vossa excelência julgou os embargos infringentes", acrescentou Gilmar. "É mentira! Aliás, vossa excelência, normalmente, não trabalha com a verdade", bradou Barroso.

A partir daí, o diálogo se torna uma jornada de acusações, com intervenções pontuais da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, em pedidos sem o efeito por ela esperado. Durante a discussão, Barroso falou mais que Gilmar e chegou a fazer verdadeiro discurso contra o que disse considerar vista grossa do colega com "criminalidade de colarinho branco".

"Não transfira para mim essa parceria que vossa excelência tem com a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco", vociferou Barroso. Gilmar reage com um riso irônico e diz: "Imagine!".

Veja no vídeo:

 

<< Manifestantes pedem que Gilmar Mendes “saia às ruas” e não volte ao STF

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!