Uma “troca de favores”, e nada mais

Daniela Lima

O voo do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, pela cota de passagens aéreas do deputado José Otávio Germano (PP-RS), foi justificado pela secretária do parlamentar, Daniela Maier, como uma “troca de favores” entre amigas, feita sem o conhecimento dos seus respectivos chefes.


A explicação veio após publicação nesta manhã de reportagem do Congresso em Foco, que mostrou que Nardes viajou de Brasília para Porto Alegre, no dia 6 de dezembro de 2007, às custas da Câmara (leia). No início da tarde, a secretária de Otávio Germano procurou o site para explicar o que chamou de uma “gentileza” para com a secretária do ministro, Constance Escher.

Segundo Daniela, Constance entrou em contato com ela às vésperas da viagem do ministro. A amiga disse que estava fora de Brasília, que o chefe precisava viajar e que não tinha como emitir o bilhete. “Nós trabalhamos juntas aqui na Câmara, ela é minha melhor amiga. Eu emiti a passagem, e ela, em seguida, emitiu um crédito não voado do ministro em nome do deputado como pagamento”, disse a secretária de Germano.

Acontece que o bilhete emitido pela secretária de Nardes em favor do parlamentar gaúcho era, na verdade, fruto de um “crédito” da cota de passagens aéreas de Nardes enquanto ele era deputado, antes de ser nomeado no TCU, em 2005. Antes da explicação da secretária de Germano, o ministro havia informado, por meio de sua assessoria, que havia ressarcido a Câmara pelo gasto com a passagem.

Parlamentar foi comunicado após a troca

A passagem emitida pelo gabinete de Otávio Germano em nome do ministro do TCU, órgão responsável por fiscalizar as despesas dos três poderes, custou à Câmara, em 2007, R$ 519,12.

A secretária do Otávio Germano garante que o parlamentar só tomou conhecimento da troca de favores entre as secretárias depois que ela emitiu o bilhete. “Isso aconteceu em uma quinta-feira, e ele (Germano) estava viajando. Assim que ele voltou, eu comuniquei que havia feito uma gentileza à Constance”, explicou.

O ministro também alega que só soube posteriormente que voou na cota do parlamentar conterrâneo.

Como comprovante da devolução do crédito ao parlamentar, Daniela enviou ao Congresso em Foco cópia do cartão de embarque de viagem que o deputado fez em 5 de março de 2008 ao Rio Grande do Sul. “Foi o mesmo trecho, só que pagamos a passagem um pouco mais barato, R$ 404,50. Ficamos com o troco”, garantiu.

A secretária do deputado acrescentou que ela e a assessora de Nardes se conheceram quando trabalharam juntas na Câmara. “Quando o ministro foi nomeado, ela foi para o TCU e eu fiquei para trabalhar com o Otávio Germano”, contou.

Augusto Nardes foi deputado federal por dois mandatos. Pertenceu à Arena e às siglas que a sucederam, PDS e PP. Os auxiliares de Germano informaram que ele e Nardes são amigos há mais de 30 anos. Os dois também nasceram no mesmo estado e sempre pertenceram ao mesmo partido.

Continuar lendo