TV Câmara censura críticas a Eduardo Cunha

Deputados tiveram falas editadas ou excluídas na sessão em que Mara Gabrili desafiou o peemedebista: “Levanta dessa cadeira, Eduardo Cunha”. Corte de seis minutos foi feito porque “não houve o contraditório”, segundo direção da TV

A TV Câmara cortou e retirou do ar críticas diretas feitas por deputados ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na sessão do dia 19 de novembro, quando parlamentares acusaram o peemedebista de interferir no Conselho de Ética em benefício próprio. Naquele dia, a deputada Mara Gabrili (PSDB-SP) chegou a desafiar Cunha: “Chega, senhor presidente. O senhor não consegue mais presidir. Levanta dessa cadeira, Eduardo Cunha”. Em seguida, cerca de 100 deputados deixaram o plenário em direção ao Conselho de Ética em protesto contra o presidente da Câmara. A fala de Mara foi um dos trechos suprimidos do programa “Fatos e Opiniões”, veiculado pela TV Câmara. As informações são do jornal O Globo.

Assista aos trechos editados e cortados, segundo o Globo

De acordo com a reportagem, uma versão originalmente feita por jornalistas da TV exibiu as críticas ao deputado e foi veiculada sem cortes no portal da Câmara na internet. No dia seguinte, porém, o programa veiculado pela TV suprimiu as críticas e referências às acusações contra Cunha. Posteriormente, a versão da internet foi substituída pela exibida na emissora, ou seja, com os cortes. O programa tem como objetivo apresentar os principais fatos da semana na Casa.

Durante a sessão, deputados da base e da oposição criticaram Felipe Bornier (PSD-RJ), que presidia os trabalhos, por ter anulado a reunião do Conselho de Ética que tentava votar o pedido de abertura do processo por quebra de decoro parlamentar contra Cunha. Na sequência, o peemedebista assumiu o comando da sessão e passou a ser cobrado pelos colegas. Segundo O Globo, o corte foi de seis minutos, o que reduziu a “rebelião” de 9 minutos e 20 segundos para 3 minutos e 20 segundos.

Além de Mara Gabrili, outros parlamentares tiveram suas falas suprimidas, como os líderes do PPS Rubens Bueno (PR), do DEM, Mendonça Filho (PE), e do PCdoB, Jandira Feghali (RJ), e o tucano Betinho Gomes (PE).

Procurado pelos repórteres Isabel Braga e Evandro Éboli, o diretor-executivo da Secretaria de Comunicação Social da Câmara, Cláudio Lessa, confirmou os cortes e disse que as supressões foram feitas porque “não houve o contraditório. Embora presente, Cunha preferiu não responder os colegas. “Eles estavam batendo no Cunha, mas ele não se defendia. Não houve o contraditório. Ele não respondia e não dava o contraponto. Corríamos o risco de ser injustos e tendenciosos naquela primeira edição”, declarou.

Parlamentares atingidos pelos cortes classificaram a edição como censura e cobraram manifestação da Mesa Diretora. Procurado pelo jornal, Cunha disse estranhar a preocupação dos jornalistas com os cortes já que, segundo ele, O Globo dá mais espaço a ataques de seus adversários.

Leia a íntegra da reportagem no Globo

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!