TSE registra 120 autuações por crime eleitoral

Boca de urna foi o crime mais praticado. Apenas 11 casos resultaram em detenção até o momento

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registrou, até as 12h11 deste domingo (28), 120 ocorrências de crime  eleitoral em todo o país durante a realização do segundo turno. Desse total, apenas 11 delitos resultaram em detenção. Não houve nenhum incidente envolvendo candidatos até o momento.

Leia também:

Veja as últimas pesquisas em 34 cidades do país
Com falhas técnicas, 128 urnas são substituídas

O Rio de Janeiro foi o estado que registrou o maior número de prisões: foram nove por boca de urna. Este foi o crime eleitoral mais praticado nesta manhã. Além das prisões, o Rio teve ainda 14 pessoas autuadas por tentarem influenciar eleitores perto das zonas de votação, prática proibida pela legislação eleitoral. Na Bahia, 28 pessoas foram detidas, acusadas de terem cometido o delito.

O TSE divulgou os dados por estados e não há informações detalhadas dos 50 municípios que escolhem hoje seus prefeitos. A divulgação de propaganda eleitoral levou 46 pessoas a serem notificadas. O uso de alto-falantes e amplificadores teve oito registros. No Rio Grande do Norte uma pessoa foi autuada por transporte ilegal de eleitores. O crime de corrupção eleitoral foi registrado em dois estados com um caso cada um: Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. Duas prisões, uma no Espírito Santo e outra no Rio Grande do Norte, foram registradas por "outros motivos", segundo o boletim do TSE.

A pena para a prática de boca de urna é de 6 meses a 1 ano de detenção, mas pode ser substituída por prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa que pode variar de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50.

Segundo turno chega sem barrados pela ficha limpa
Quase 90 cidades poderão ter novas eleições
O mapa do poder após as eleições em primeiro turno

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!