Três profissionais de imprensa foram assassinados no Brasil em uma semana

O relato e a visão da Federação Nacional dos Jornalistas sobre o assunto

Texto reproduzido do site da Fenaj

Após a morte do repórter cinematográfico Santiago Andrade, em consequência de um rojão que atingiu sua cabeça quando cobria uma manifestação no Rio de Janeiro, e mesmo com apelos internacionais para cessar a violência contra jornalistas, outros três assassinatos de profissionais de imprensa foram registrados no Brasil nos últimos dias. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) cobra medidas urgentes de combate à impunidade.

No dia 11 de fevereiro dois homens em uma moto alvejaram com três tiros o radialista Edílson Dias Lopes, da rádio comunitária Explosão Jovem FM, em frente de sua residência, na cidade de Pinheiros, no Espírito Santo. Crime semelhante ocorreu no dia 13, quando Pedro Palma, dono do jornal Panorama Regional, foi morto a tiros em frente a sua casa em Miguel Pereira (RJ), também por duas pessoas em uma moto.

Já no dia 16, José Lacerda da Silva, cinegrafista da TV Cabo Mossoró, no Rio Grande do Norte, também foi assassinado em uma via pública com vários tiros, quando foi surpreendido por um veículo com pelo menos duas pessoas à bordo. Lacerda chegou a ser socorrido, mas faleceu antes de chegar ao hospital.

Com a morte de Santiago Andrade, no dia 10 de fevereiro, ampliaram-se, além de manifestações de entidades dos jornalistas e de empresas de comunicação, uma série de posicionamentos nacionais e internacionais com relação às agressões contra profissionais de imprensa. No mesmo dia, o Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional (CCS) repudiou a violência contra jornalistas. No dia 12, a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) condenou a agressão e solicitou às autoridades que realizem investigações imediatas para esclarecer os fatos, identificar e punir os responsáveis.

A Fenaj defendeu, em atividades no Rio de Janeiro no dia 11, ações mais efetivas dos governos e empresas de garantias ao trabalho dos jornalistas. O apelo foi feito diretamente em encontro dos diretores da Fenaj Celso Schröder e José Carlos Torves com o governador Sérgio Cabral Filho e, depois, com a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. No dia 18 de fevereiro, em reunião com diversas entidades, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou que está em estudo um projeto de lei para coibir a violência em manifestações públicas, entre outras leis.

Para o presidente da Fenaj, Celso Schröder, o projeto de lei em estudo pode ser positivo, mas são necessárias medidas urgentes não só quanto à segurança da sociedade e de jornalistas na cobertura de manifestações públicas. "Nos três assassinatos recentes é preciso esclarecer as circunstâncias e motivações, mas essa agressão crescente mostra que os governos no Brasil precisam ser mais ágeis em medidas de combate à violência e impunidade nos crimes contra profissionais de imprensa", completa.

Mais sobre questões ligadas à mídia

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!