TJ do Ceará revoga prisão de farmacêutica carioca

Mirian França, presa há 15 dias, é suspeita de envolvimento no homicídio da italiana Gaia Molinari. Juiz disse não haver elementos que comprovem participação no crime

A prisão da farmacêutica carioca Mirian França foi revogada hoje (13) pelo Tribunal de Justiça do Ceará. O juiz José Arnaldo dos Santos Soares, que analisou o pedido da Defensoria Pública, determinou que ela não deixe o estado por 30 dias, para colaborar com as investigações.

Mirian está presa desde 29 de dezembro, suspeita de envolvimento no homicídio da italiana Gaia Molinari, assassinada em dezembro de 2014, na cidade turística Jericoacoara, a 300 quilômetros de Fortaleza.

A Defensoria Pública do Ceará informou que a jovem passará por exames de rotina antes de deixar a Delegacia de Capturas, em Jacarecanga, próximo ao centro onde está detida.

Uma campanha a favor da farmacêutica foi organizada pelas redes sociais. Ativistas de direitos humanos protestaram em frente à delegacia onde a jovem está detida e organizaram um abaixo-assinado na internet que obteve mais 2,5 mil assinaturas requerendo a revogação de prisão.

O juiz José Arnaldo dos Santos Soares acatou pedido da defensoria que alegava não haver elementos que comprovassem a autoria ou participação da farmacêutica no crime. Na avaliação dos defensores, as contradições no depoimento de Mirian França não justificavam a prisão.

Na decisão, o magistrado também levou em consideração o fato de a jovem ter profissão, endereço fixo no Rio de Janeiro e nenhum antecedente criminal. “Após detida análise dos autos, vejo que a prisão da requerente exauriu sua finalidade, não se mostrando mais imprescindível às investigações", afirmou, em nota.

Dúvidas sobre a prisão da jovem negra no Ceará

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!