Temer diz que quem reclama da reforma da Previdência ganha “acima do teto”

De acordo com o presidente, 63% dos brasileiros receberão o valor integral por estarem entre os que ganham salário mínimo. “Quem reclama é quem ganha muito mais", afirmou em reunião do Conselhão nesta terça-feira (7)

O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira (7) que críticos a reforma da Previdência são os que ganham acima do teto da Previdência. “Quem reclama é quem ganha muito mais, quem está muito acima desses tetos”, disse em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), também conhecida como “Conselhão”. O presidente aproveitou para pedir apoio à proposta de emenda à Constituição que estabelece novas regras para concessão  da aposentadoria no Brasil.

De acordo com o presidente, pessoas que ganham salário mínimo não sofrerão impacto com a reforma. “63% dos brasileiros terão aposentadoria integral porque ganham um salário mínimo, lamento dizê-lo. Quem pode insurgir-se é um grupo de 27%, 37%. […] Nós estamos preocupados com o futuro daqueles que vão receber pensão”, disse Temer a um grupo de representantes de diversos setores da sociedade, incluindo empresários, trabalhadores e outros integrantes que compõe o Conselhão.

A proposta já foi enviada ao Congresso Nacional. O relator da PEC da Previdência na Câmara é o deputado Arthur Maia (PPS-BA). O texto apresentado exige 49 anos de contribuição para que o segurado consiga a aposentadoria integral, além disso iguala homens e mulheres na idade mínima de 65 anos para que tenham direito ao benefício.

Entre as alterações, a regra de transição proposta para quem está mais perto da aposentadoria, que beneficiaria mulheres com 45 anos ou mais e homens a partir dos 50, também é um dos pontos polêmicos. Apesar das críticas e resistências, Temer espera que a PEC seja aprovada na Câmara e no Senado ainda neste primeiro semestre.

Durante a reunião desta terça-feira (7), o presidente afirmou ainda que estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul estão quebrados por problemas na Previdência e ressaltou que a medida é uma maneira para garantir a prestação de serviços públicos. Aos opositores ao projeto, ele pediu que apresentem outra solução.

 

Mais sobre reforma da Previdência

CDESconselhãocrise brasileiraCrise econômicaMichel Temerpec da previdenciareforma da previdênciaReunião do Conselhão