Temer apela a deputados por conclusão do ajuste

Medidas econômicas e Lei de Diretrizes Orçamentárias são a prioridade do Planalto e dos líderes aliados a Temer para esta semana, quando tem início a etapa final do impeachment no Congresso. Almoço na residência oficial da Câmara reuniu, hoje (22), peças-chave da base com o presidente interino

O Palácio do Planalto apelou aos líderes de partidos da base governista na Câmara para concluírem as votações de projetos e emendas constitucionais que possibilitem ao governo alcançar a meta de déficit primário da União de R$ 170,5 bilhões para este ano e novos limites de gastos para o Orçamento da União do próximo ano. O apelo foi feito pelo próprio presidente interino, Michel Temer, durante almoço com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com a presença dos líderes das bancadas de deputados que apoiam o governo.

Além de Temer, participaram do encontro na residência oficial da Câmara os ministros Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, e o as Relações Institucionais, Geddel Vieira Lima. O governo espera concluir ainda nesta terça-feira (23) as votações do projeto que concedeu mais 20 anos para o pagamento das dívidas dos Estados com a União e a emenda que limita pela inflação medida pelo Índice geral de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA) os gastos do governo federal.

Os líderes deixaram o almoço já convocando suas bancadas pelo celular para a sessão da Câmara marcada para esta terça-feira. A falta de quórum é a maior preocupação do Planalto e dos líderes da base de apoio ao governo. Essa é a maior sinalização de que o governo Temer tem mesmo o apoio do Congresso e poderá concluir as votações de projetos necessários para que as metas deficit fiscal deste e do próximo ano sejam atingidas.

“Este modelo de reunião é muito bom para integrar a base de apoio do governo com o Planalto”, disse ao Congresso em Foco o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), coordenador da maior bancada.

O texto principal do projeto renegociação das dívidas dos Estados já foi votado pelos deputados. Restam vários destaques apresentados por partidos como o PT, PSol, PDT e PCdoB que são contra a limitação linear e generalizada dos gastos públicos. Tais emendas abrem brechas para a concessão de reajustes salariais, de investimentos e custeio na execução dos orçamentos dos Estados. Os governistas querem evitar que os partidos de oposição a Temer conseguem adiar a definição da lei – que ainda precisa ser votada pelos senadores – e, consequentemente, dê sinais ao mercado financeiro que o governo não tem a força necessária para concluir o ajuste fiscal.

Durante uma hora e meia e com o cardápio simples com feijão, arroz, carne e salada, o presidente, seus dois ministros e os líderes também definiram que vão marcar para esta terça-feira a reunião do Congresso, que inclui os senadores, para colocar em pauta a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A LDO define prioridades do Planalto para o próximo ano, inclusive o deficit primário da União com a previsão de R$ 139 bilhões. Antes da LDO, deputados vão votar mais duas das cinco medidas provisórias que trancam a pauta de votações, impedindo que outras matérias sejam apreciadas.

Mais sobre ajuste fiscal

Mais sobre crise econômica

ajuste fiscalBaleia RossiCâmara dos Deputadoscrise brasileiraCrise econômicacrise políticaeconomiaeconomia brasileiraEliseu PadilhaGeddel Vieira LimaHenrique MeierellesLDOLei de Diretrizes OrçamentáriasMichel Temerpalácio do planaltopicturespmdbRodrigo Maia