STJ suspende ações penais de Arruda e outros 38 réus da Caixa de Pandora

A suspensão vale até que seja concluído o julgamento de um recurso apresentado pela defesa do ex-governador do Distrito Federal que pede a anulação de todas as decisões judiciais do caso. Ministro determina perícia em escutas ambientais feitas por delator

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Reynaldo Soares da Fonseca suspendeu o andamento dos processos a que o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda responde na Operação Caixa de Pandora. A decisão cautelar também alcança os demais 38 réus da operação que resultou na prisão e na renúncia de Arruda, em 2010. A suspensão, determinada na última quinta-feira (20), é válida até que seja concluído o julgamento de um recurso apresentado pela defesa de Arruda. A análise desse habeas corpus não foi concluída devido a um pedido de vista do ministro Felix Fischer.

Em seu voto, o ministro Reynaldo Soares determinou a realização de perícia no aparelho de gravação ambiental utilizado pelo delator Durval Barbosa. Principal operador do esquema, gravou vídeos em que aparece entregando dinheiro a Arruda, deputados distritais e outras autoridades de Brasília. O caso também ficou conhecido como o mensalão do DEM, em referência ao partido de Arruda na época.

A defesa do ex-governador, no entanto, contesta o uso das gravações como prova e alega que houve edição do material captado.

Embora tenha acolhido o pedido da defesa para suspender todos os interrogatórios previstos, o relator não aceitou anular todas as decisões judiciais e provas produzidas no processo. Os advogados de Arruda alegam que o juiz da 7ª Vara Criminal de Brasília que analisa as ações penais não tem imparcialidade para continuar à frente do caso.

Dinheiro no bolso

O recurso dos advogados de Arruda não chegou a ser julgado porque Felix Fischer fez um pedido de vista antecipada. Dessa forma, os advogados pediram que os interrogatórios fossem suspensos até a conclusão do julgamento do habeas corpus. “Noticiando o recorrente que o processo já se encontra na fase do interrogatório, ou seja, no último ato da instrução criminal, mostra-se prudente a suspensão do ato, até que seja concluído o julgamento pela Quinta Turma, haja vista o pedido de vista antecipada pelo ministro Felix Fischer”, disse Reynaldo da Fonseca em seu despacho.

Filmado recebendo dinheiro das mãos de Durval Barbosa, o ex-governador José Roberto Arruda sempre negou envolvimento com o esquema denunciado. Ainda assim, foi preso em caráter preventivo e renunciou ao governo do Distrito Federal antes de ter seu mandato cassado pelo Tribunal Regional do DF.

Barrado

Em 2014, Arruda lançou candidatura ao governo do Distrito Federal e chegou a liderar as pesquisas. Mas desistiu após ter sua candidatura barrada pela Justiça eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa.

O ex-governador havia sido condenado, em 2013, por improbidade administrativa no “mensalão do DEM”. A condenação foi confirmada posteriormente pelo Tribunal de Justiça (TJ) local. O esquema consistia em compra de apoio político para a candidatura do próprio Arruda ao governo do DF, em 2006, com recursos oriundos de contratos de informática do Executivo distrital.

Mais sobre Operação Caixa de Pandora

Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!