STJ dá 30 dias para Assembleia de Minas autorizar processo contra Pimentel

Deputados mineiros vão decidir se governador poderá ser processado por corrupção e lavagem de dinheiro. Fernando Pimentel é acusado de ter recebido R$ 20 milhões ilegalmente

Os deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais terão até o dia 23 de novembro para decidir se autorizam ou não a abertura de processo, no Superior Tribunal de Justiça, para apurar a responsabilidade do governador do Estado, Fernando Pimentel (PT), por corrupção e lavagem de dinheiro. A denúncia foi feita pelo Ministério Público, que acusa o governador de ter recebido R$ 20 milhões da revendedora de carros CAOA, quando deixou o ministério do Desenvolvimento, Industrial e Comércio Exterior, em 2014, para concorrer ao Palácio da Liberdade.

 

O despacho do ministro do STJ responsável pelo caso, Herman Benjamin, foi lido na tarde desta terça-feira no plenário da Assembleia. O prazo de um mês dado pelo STJ é em razão da prisão do empresário Benedito de Oliveira Neto que confessou o pagamento da propina ao então ministro. Bené afirmou em delação premiada o recebimento da propina por Pimentel. O dinheiro teria custeado a campanha eleitoral de 2014 do petista.

Segundo seu depoimento, Bené disse que os pagamentos aconteceram entre 2013 e 2014, ano em que Pimentel deixou o governo da ex-presidente Dilma Rousseff para se candidatar ao governo. Dos R$ 20 milhões, afirmou o delator, R$ 7 milhões foram repassados diretamente a Pimentel no exterior. O restante teria sido usado na campanha.Bené está preso em Brasília desde o dia 15 de abril e é apontado como o ‘operador’ de Pimentel. A ordem de prisão também foi decretada pelo ministro Benjamin, e faz parte do conjunto de investigações da Operação Acrônimo. Pimentel também foi um dos coordenadores da campanha de releição de Dilma Rousseff.

O governador Pimentel tem o apoio da maioria dos deputados estaduais. Mas ele depende do PMDB para barrar ou adiar a autorização da Assembleia para ser processado pelo STJ. O presidente da Casa, Adelclever Borges(PMDB), é filho do deputado federal e secretário geral do partido, Mauro Borges, que também é réu no  mesmo processo e será julgado pelo Supremo Tribunal Federal em razão do foro privilegiado. Além de Pimentel e Bené, no processo há outros quatro réus.

Mais sobre crise brasileira

Mais sobre Fernando Pimentel

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!