STF mantém condenação do ex-senador Luiz Estevão

Luiz Estevão deverá cumprir 26 anos de prisão por envolvimento no esquema de desvio de verbas na construção do TRT-SP, em 1992

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a condenação do ex-senador Luiz Estevão a 31 anos de prisão, por desvio de verbas na construção do Fórum do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP).  Contudo, a pena a ser cumprida por Estevão deverá cair para 26 anos, uma vez que os crimes de formação de quadrilha e uso de documentos falsos teriam prescrito – o Supremo ainda deve reconhecer a prescrição.

Em sessão nesta quarta-feira (9), os oito recursos apresentados pela defesa do ex-senador foram recusados, por 2 votos a 1. Participaram da votação os ministros Marco Aurélio, Rosa Weber e Edson Fachin.

“Está na hora de colocar um fim neste processo”, disse o relator do caso, ministro Marco Aurélio, ao proferir seu voto. O ministro votou pela redução da pena de 31 anos para 16 anos e 6 meses, alegando que a Justiça utilizou os mesmos fatos para condenar o réu por crimes diferentes. Marco Aurélio também argumentou que não houve crime de corrupção e peculato no caso, mas foi voto vencido.

A execução da pena não será imediata. Segundo Marco Aurélio, a defesa de Luiz Estevão ainda pode entrr com embargos de declaração.

Desvios

Luiz Estevão já havia sido condenado em 2006, e, além da prisão, teria que devolver R$ 2,6 bilhões aos cofres públicos, juntamente com Fábio Monteiro de Barros – dono da empresa Incal, que venceu a licitação para fazer a obra do TRT-SP. De acordo com a Advocacia-Geral da União, os desvios de recursos da obra somaram R$ 1 bilhão, em valores atualizados.

O escândalo ocorreu em 1992, mas Luiz Estevão apresentou 21 recursos e 11 habeas corpus contra a condenação, e há 10 anos aguardava o julgamento dos recursos.

Luiz Estevão foi o primeiro senador da história a ser cassado, em 2000. Atualmente cumpre prisão domiciliar no Lago Sul, em Brasília.

Mais sobre Luiz Estevão

1ª turma do stfcondenaçãodesvio de dinheiro públicoedson fachinFábio Monteiro de BarrosjulgamentoLuiz Estevãomarco auréliopenarosa weberSTFtrt