STF: Fachin separa investigação de Aécio do inquérito de Temer e Rocha Loures

 

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu separar a investigação sobre o presidente Michel Temer e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) do inquérito que investiga o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). A jornalista Andréa Neves, irmã de Aécio, e Frederico Pacheco de Medeiros, seu primo, serão investigados juntos com o parlamentar tucano.

A decisão de Fachin atende a um pedido feito pela defesa de Michel Temer, que também solicitou que o processo fosse redistribuído a outro ministro da Corte sob a alegação de não haver conexão dos fatos com a Lava Jato. No entanto, este último pedido foi negado. Já no caso do inquérito de Aécio Neves, Fachin autorizou a redistribuição.

Ainda nesta terça-feira (30), o ministro também autorizou que Temer seja ouvido pela Polícia Federal. No entanto, orientou que o depoimento deve ser colhido de forma escrita. A Polícia Federal deve enviar as perguntas a Temer, que terá, por sua vez, 24h para respondê-las.

Temer é investigado por obstrução da Justiça e corrupção e organização criminosa. O presidente foi gravado pelo empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo JBS, em março deste ano, dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba. Joesley e seu irmão, Wesley Batista, fizeram acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

Ao ouvir de Joesley que estava dando a Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?” Além disso, Temer ouviu de Joesley diversos ilicitos sem contestá-los.

Na presença de Joesley, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Em seguida, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados pelo empresário goiano.

Caso Aécio

Entre as acusações que pesam sobre Aécio, está a gravação na qual o tucano pede R$ 2 milhões a Joesley. Em uma conversa de áudio, que durou cerca de 30 minutos, o peessedebista aparece pedindo o dinheiro ao empresário sob a justificativa de que precisava pagar despesas com sua defesa na Lava Jato.

O encontro entre Aécio Neves e Joesley Batista aconteceu no dia 24 de março, no Hotel Unique, em São Paulo. O encontro foi antecedido por um primeiro contato de sua irmã, Andréa Neves, com Joesley. Aécio indicou seu primo Frederico Pacheco de Medeiros para receber o dinheiro. O dinheiro foi entregue pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos sete delatores. Ao todo, foram quatro entregas de R$ 500 mil cada uma.

Leia também:
Dono da JBS grava Michel Temer avalizando compra de silêncio de Eduardo Cunha
Fachin abre inquérito para investigar Temer por corrupção e obstrução de Justiça

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!