STF autoriza e Moro investigará Eduardo da Fonte

Juiz recebeu vídeo que flagra o vice-líder do Partido Progressista em reunião com operadores do esquema de corrupção descoberto pela Lava Jato. Gravação revela que, além de PMDB e PP, outros partidos também eram beneficiários do dinheiro ilegal

Mesmo com direito a foro privilegiado, o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) será investigado pelo juiz Sérgio Moro, titular da 13ª vara federal de Curitiba e coordenador da Operação Lava Jato. O magistrado de primeira instância foi autorizado pelo ministro Teori Zavaski, relator da operação no Supremo Tribunal Federal (STF), a analisar cópia de um vídeo que mostra uma reunião realizada em 2009 pelo parlamentar com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa e o lobista Fernando Soares Baiano, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção da estatal. O compartilhamento do vídeo sob a guarda do STF foi solicitado há uma semana a Teori pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Do encontro com Dudu da Fonte, como o parlamentar é conhecido, também participou o ex-deputado pernambucano já falecido Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB e depois parlamentar do PSB. A reunião foi filmada no escritório do operador do mercado financeiro, Marcos Duarte Santos, o Marcão, sócio de Baiano em imóveis.Também estavam presentes à reunião gravada em vídeo os executivos da Construtora Queiroz Galvão, Ildefonso Colares, e Eerton Medeiros Fonseca, diretor da Galvão Engenharia. As duas empresas estão sob investigação na Lava jato por envolvimento na rede de propina e fraudes em contratos com a Petrobras.

O vídeo é crucial para as investigações da Polícia Federal e dos procuradores. Moro pretende confrontar o conteúdo das conversas com a delação premiada de Fernando Baiano, preso em novembro de 2014 e hoje em detenção domiciliar em razão de sua colaboração com a Justiça. Ele é apontado como o intermediário no recebimento de propinas destinadas ao PMDB e pagas por empreiteiras contratadas pela Petrobras, mas o vídeo revela que outros partidos também eram beneficiários do dinheiro ilegal.

Nos depoimentos negociados com o Ministério Público Federal, a PF e o magistrado, o lobista cita o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), que teriam recebido propina por intermédio do lobista Jorge Luz. Baiano também citou o senador Jáder Barbalho (PMDB-PA) como beneficiário da propina, além do senador cassado Delcídio do Amaral e o ex-ministro de Minas e Energia do governo Lula, Silas Rondeau.

O vídeo com imagens do deputado na reunião vai servir de instrução de mais um processo a ser aberto por Moro. No entanto, a decisão de processar o parlamentar e julgá-lo só poderá ocorrer no STF em razão da prerrogativa de foro privilegiado que assiste a Dudu da Fonte.

Por meio de sua assessoria, o deputado Dudu da Fonte preferiu enviar ao Congresso em Foco uma declaração por escrito: “Estive e estou, sempre, à disposição da Justiça para esclarecer, logo, todo o fato”, registrou.

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Sérgio Moro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!