STF autoriza abertura de inquérito contra Telmário Mota

Senador é acusado de ter agredido uma jovem de 19 anos. Para o ministro Gilmar Mendes, há indícios mínimos de "existência de crime". Assessoria diz que parlamentar está "tranquilo"

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes autorizou a abertura de inquérito contra o senador Telmário Mota (PDT-RR) para investigar uma denúncia de agressão feita por uma jovem de 19 anos. Mendes avalia que "há indícios mínimos da existência do crime e de sua autoria", referindo-se ao "exame de corpo de delito e às declarações da suposta vitima".

O pedido de investigação foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na semana passada. Janot se baseou na denúncia de agressão feita pela jovem – a estudante Maria Aparecida Nery de Melo. Para o PGR, o caso se enquadra na Lei Maria da Penha.

A jovem registrou boletim de ocorrência contra o senador no dia 31 de dezembro de 2015, e disse que o episódio de violência ocorreu no dia 26 do mesmo mês – ela teria sido agredida até desmaiar. O exame de corpo de delito verificou a existência de lesões na cabeça, boca, orelha, dorso, braço e joelho.

Maria Aparecida disse em depoimento à polícia que mantinha relacionamento com o senador há três anos e meio, e que as agressões físicas e ameças eram recorrentes. Porém, pouco tempo depois a vítima se retratou e negou a existência das supostas agressões e ameaças.

Por meio de sua assessoria, Telmário Mota informou que tem o maior interesse em que esse inquérito seja apurado o mais rápido possível para que ele possa provar que não cometeu crime algum. Afirmou ainda que o senador está "tranquilo" e quer celeridade na apuração do caso.

Mais sobre violência

Mais sobre processos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!