STF arquiva inquérito sobre Roseana Sarney e Edison Lobão

Investigação começou com intuito de apurar declarações feitas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Entretanto, Rodrigo Janot enviou petição ao STF em que afirma não existirem provas para justificar o prosseguimento da apuração dos fatos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki aceitou, nesta sexta-feira (25), o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e arquivou o inquérito em que a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney e o senador Edison Lobão (PMDB-MA) são acusados de lavagem de dinheiro e corrupção na Operação Lava Jato.

Na última quinta-feira (24), em uma petição enviada ao STF, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse ao ministro que não há provas para justificar o prosseguimento da investigação.

Em março de 2015, a investigação foi iniciada com intuito de apurar declarações feitas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Em depoimento de delação premiada, Costa afirmou que a campanha eleitoral de Roseana, em 2010, recebeu R$ 2 milhões de propina. Ainda de acordo com o depoimento, o valor foi solicitado por Edison Lobão e pago pelo doleiro Alberto Youssef.

Após o pedido de arquivamento, o advogado de Roseana e de Lobão, Antônio Carlos de Almeida Castro, comemorou o parecer da PGR e disse que, desde o começo das investigações, a ex-governadora sempre se colocou à disposição para prestar esclarecimentos.

“Esse arquivamento, embora tardio, resgata, nesse ponto de vista, a verdade. Para Roseana, que ficou sendo investigada desnecessariamente, é uma vitória. Este era o único inquérito em que Roseana era investigada. Embora a demora nas investigações tenha causado um enorme prejuízo pessoal e político, para Roseana a Lava Jato é uma página do passado”, disse o advogado.

Mais sobre Judiciário

Mais sobre Operação Lava Jato

corrupçãoEdison Lobãoex-diretor de Abastecimento da PetrobrasinvestigaçãoPaulo Roberto CostapetrobraspicturespropinaRoseana SarneySTFsupremo tribunal federal