STF aprova mais tempo de TV para PSD

Com menos de um ano de vida, PSD terá tempo de propaganda no rádio e na televisão proporcional a sua representatividade na Câmara dos Deputados, onde é a quarta maior sigla

O Supremo Tribunal Federal concluiu nesta sexta-feira (29), que o PSD, partido criado no ano passado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, terá direito a mais tempo para propaganda eleitoral na televisão e no rádio. Prevaleceu o entendimento do ministro relator do caso, José Dias Toffoli, de que o rateio do tempo de propaganda será proporcional à representação do partido no Congresso. Com a decisão, a sigla ganha mais fôlego nas eleições municipais deste ano, podendo ter mais poder para influenciar na formação das coligações.

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Os ministros analisaram duas ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs). A primeira, apresentada pelo PHS, pretendia mudar a divisão do tempo de televisão de forma que fosse dividida igualmente entre todas as legendas durante a campanha. Já a outra buscava evitar a possibilidade de o PSD, que não existia nas últimas eleições, ter direito à divisão da propaganda eleitoral para o próximo pleito.

Toffoli decidiu que um terço de todo o tempo de propaganda eleitoral deve ser dividido entre todos os 30 partidos reconhecidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A legislação eleitoral atualmente não estabelece isso, apesar de a corte eleitoral praticar a divisão. Os dois terços restantes ficarão para as legendas com representação no Congresso. Para as fundadas recentemente, como o caso do PSD, a proporcionalidade será calculada com base nos deputados criadores da legenda. Com a maioria, o PSD, que tem 48 deputados no exercício do mandato e outros sete licenciados, forma a quarta maior bancada da Câmara

O argumento usado por Toffoli é que um novo partido, que não tenha participado da eleição anterior, tem direito à representatividade dos votos dos seus parlamentares. Desde que, de acordo com o ministro, os deputados tenham migrado diretamente para a legenda recém criada. “A representatividade é só dos fundadores”, ressaltou Toffoli. Para ele, no entanto, parlamentares que tenham entrado depois da fundação não contam para a proporcionalidade.

O julgamento foi iniciado na quarta-feira (27), e ontem já havia sido formada uma maioria, mas o processo só pode ser concluído hoje por que faltava o voto da ministra Carmen Lúcia. Ontem, ela presidiu sessão do Tribunal Superior Eleitoral e por isso não pode estar presente no julgamento. Na manhã de hoje, a ministra não fez a leitura do seu voto mas apresentou os argumentos que embasaram seu posicionamento. Ela votou pela improcedência do pedido das ADIs. A ministra ponderou sobre a realidade partidária do país e disse ter medo do que chamou de "mercado de partidos".

Com voto vencido, Carmen Lúcia seguiu o entendimento do ministro Joaquim Barbosa, que votou contra as duas ações. “Não recebi delegação do povo brasileiro para reescrever uma lei tão importante como esta”, afirmou. Barbosa lembrou que a Lei das Eleições está em vigor há 15 anos. E que, ao decidir favoravelmente aos dois pedidos, a corte está “pisando em espinhos”. “A ação visa visivelmente a resolver um problema direto, concreto. Não sabemos a consequência deletéria que essa deliberação poderá trazer ao quadro político brasileiro”, avaliou.

Os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ayres Britto seguiram o voto do relator. Já os ministros Cezar Peluso e Marco Aurélio Mello foram mais além. Os dois defenderam o fim da regra de divisão do tempo de rádio e televisão com base na representatividade dos deputados federais filiados. Para os magistrados, não há motivo para justificar a maior presença nas propagandas eleitorais para partidos com mais filiados no Congresso.

Ministros do STF decidem tempo maior de TV para o PSD
Toffoli vota a favor de tempo maior para o PSD

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!