STF absolve deputado acusado de peculato

Ministros absolveram, por unanimidade, deputado que respondia às acusações de peculato e prática de dispensa ilegal de licitação. Relatora votou pela improcedência da ação penal por falta de prova material sobre delito

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) absolveram, por unanimidade, o deputado Dagoberto Filho (PDT-MS) que respondia às acusações de peculato e prática de dispensa ilegal de licitação. Durante a sessão desta terça-feira (7), a relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, votou pela improcedência da ação penal por não ter sido provada a materialidade do delito.

“Seja porque a hipótese seria de dispensa de licitação, seja porque não se há comprovação de dolo específico de causar dano ao erário pelo acusado”, afirmou a ministra em parecer.

Ainda de acordo com a decisão, a contratação da empresa de informática sem licitação se deu pela necessidade da continuidade do serviço e da emergência, tese utilizada pela defesa.

A denúncia

O deputado Dagoberto era investigado por ter contratado uma empresa de informática para realizar a arrecadação de tributos relativos ao trânsito. Informações do Ministério Público Federal (MPF) afirmam que o parlamentar instruiu uma servidora sobre os nomes de empresas que deveriam ser procuradas para fechar o contrato.

A ministra afirmou também que Dagoberto autorizou a contratação direta com base em fundamentos para a licença da licitação. “Não é toda dispensa de licitação que é ilegal, menos ainda criminosa. Portanto, o que ele fez foi exatamente dar cumprimento à legislação e adotar o instrumento cabível”, destacou Cármen Lúcia.

Já para a acusação de peculato, a relatora explicou que seguiria a decisão apresentada pelo MPF, que avalia a inexistência de provas que indiquem que o parlamentar tenha aprovado ou ganhado quaisquer vantagens.

* Com informações do STF

Mais sobre processos

Mais sobre Judiciário

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!