Serviços de saúde deverão ter prazo para notificar à polícia casos de violência contra a mulher

 

Serviços de saúde públicos e privados terão prazo de cinco dias – contados da data de atendimento da mulher vítima de violência – para informar o fato à polícia ou ao Ministério Público. Essa exigência está em projeto de lei (PLS 308/2016) do senador Elmano Férrer (PTB-PI), aprovado nesta quarta-feira (21) pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado.

O projeto será enviado à Câmara se não houver recurso para que seja votado pelo plenário do Senado. A proposta altera a Lei 10.778/2003, que já determina a notificação compulsória dos atos de violência doméstica, mas sem fixar prazo ou definir os órgãos destinatários.

"Embora a legislação já obrigue os profissionais dos serviços de saúde, públicos e privados, a realizar a notificação compulsória dos atos de violência doméstica, é certo que não foram fixados os órgãos destinatários da comunicação, tampouco o prazo para que ela se efetive, o que torna a exigência frágil", comentou Elmano na justificação do PLS 308/2016.

Ao dar parecer favorável à proposta, a relatora da proposta na CCJ, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), ressaltou que a medida sugerida por Elmano resolve dois problemas: para quem e quando deve ser feita a notificação de violência contra a mulher.

Simone Tebet também manteve a emenda de redação ao projeto, já aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

<< Uma em cada 100 mulheres recorreu à Justiça contra violência doméstica em 2017

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!