Sérgio Machado dará depoimento no TSE em ação contra chapa Dilma-Temer

Oitiva será em 22 de outubro. Ex-presidente da Transpetro gravou coversas com peemedebistas como o senador Romero Jucá. Em uma delas, Jucá afirma, semanas antes da abertura do impeachment de Dilma, que era necessária uma “mudança” no governo para “estancar a sangria” da Lava Jato

Ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, nome do PMDB na subsidiária da Petrbras e um dos delatores da Operação Lava Jato, prestará depoimento em 22 de outubro na ação que investiga a denúncia de fraude eleitoral apresentada pelo PSDB contra a chapa Dilma-Temer, com pedido de cassação do grupo eleito em 2014. A oitiva será realizada na sede do Tribunal de Justiça do Ceará, onde Machado cumpre prisão domiciliar em razão de ter firmado acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato.

Como este site mostrou ontem (quinta, 13), também em depoimento ao TSE, o ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo disse que que o ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) Oswaldo Borges da Costa pediu doação para a campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência da República, nas mesmas eleições de 2014. Segundo empresário, ele e Oswaldo se reuniram naquele ano para acertar o repasse. Trata-se de um efeito reverso da denúncia tucana, uma vez que esse depoimento foi prestado em função da própria ação movida pelo PSDB contra a chapa Dilma-Temer – o processo continua mesmo tendo sido reprovadas com ressalvas as contas da campanha da então presidenta Dilma Rousseff e seu companheiro de chapa, Michel Temer. A aprovação foi por unanimidade, mas o TSE, no transcorrer dos meses, recebeu novos elementos que justificaram a continuidade do processo. O PSDB questionou a aprovação por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma. Conforme entendimento atual do TSE, a prestação contábil da chapa é julgada em conjunto.

Em sua delação premiada, Sérgio Machado mencionou um “acordão” para tirar Dilma da Presidência e interromper as investigações da Lava Jato. Áudios gravados por Machado flagraram peemedebistas discutindo o amplo acordo “com o STF, com tudo” – nas palavras do senador por Roraima Romero Jucá, um dos investigados do petrolão – para que Temer fosse içado à Presidência. O ex-presidente da Transpetro citou ainda uma doação de R$ 40 milhões do Grupo JBS, do setor frigorífico, para o PMDB, além de outro repasse ilícito ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), com o objetivo de viabilizar a candidatura do tucano à Presidência da Câmara, em 1998. Por fim, Machado relatou um pedido de recursos por parte de Temer para financiar a campanha, em 2012, do então candidato à Prefeitura de São Paulo Gabriel Chalita.

Assista à íntegra do primeiro depoimento de Sérgio Machado à Lava Jato:


Leia mais:
Delação sobre propina cita Temer e mais 20 nomes
Delator confronta Temer e mantém menção a propina

Operação abafa

Diante dos desdobramentos das delações, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou, em 6 de outubro, convites para que Sérgio Machado e o ex-chefe da Advocacia Geral da União Fábio Medina Osório compareçam ao colegiado para explicar declarações de que o governo Michel Temer tentou “abafar” a Operação Lava Jato. Os convites foram propostos pelo deputado Adelmo Carneiro Leão (PT-MG), mas enfrentavam resistência de deputados da base aliada de Temer.

O ex-ministro da AGU disse, em entrevista à revista Veja, logo após ser demitido por Temer, que o “governo quer abafar a Lava Jato” e que “tem muito receio de até onde as investigações possam chegar”. Fábio Medina, que caiu após atrito com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, contou que sua demissão ocorreu porque ele pediu que as “empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras devolvessem dinheiro aos cofres públicos”.

A comissão quer ouvir Sérgio Machado, um dos delatores da Lava Jato, a respeito de um diálogo que ele teve com o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Na conversa, gravada pelo próprio ex-presidente da Transpetro, Jucá afirma, semanas antes da abertura do processo de impeachment de Dilma, que era necessária uma “mudança” no governo federal para “estancar a sangria” da Lava Jato. A revelação da conversa resultou na saída do peemedebista do Ministério da Previdência, dois dias após sua posse.

 

Mais sobre Sérgio Machado

Mais sobre Operação Lava Jato

corrupçãocrise brasileiraDilmaDilma RousseffEleições 2012Eleições 2014Eliseu Padilhafábio medina osórioGabriel ChalitajbsLava-JatoMichel Temeroperação lava-jatopetrobraspetrolãopicturespmdbPSDBPTRomero JucáSérgio MachadoTranspetro