Senadores discutem destino de Renan

Parlamentares tentam dar um ar de normalidade ao Senado. Um grupo vai se reunir para tentar encontrar uma solução política para a crise gerada pelo pedido de prisão do presidente do Congresso

Em clima de constrangimento com o pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vários senadores começaram a discutir se o chefe do Poder Legislativo tem condições políticas de continuar à frente dos trabalhos do Congresso Nacional.  Durante a manhã os parlamentares se perguntavam pelos corredores do Senado “o que fazer”.  As respostas sempre foram evasivas.  Mas reconhecem que a crise política é inédita e paralisa o funcionamento da Casa.

Questionado sobre a solução para a crise, o senador Benedito de Lira (PP-AL), adversário regional de Renan, respondeu: “Não sei”.  E completou: “Um ladrão de galinha vai para a cadeia. Mas o presidente (Renan Calheiros) não soube honrar o cargo”. Também investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) pela Lava Jato, Benedito disse que, em caso de prisão do peemedebista, o natural seria assumir o primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC).

A senadora Ana Amélia (PP-RS) também reconhece a crise e a urgência de tentar ultrapassá-la. Ela disse que vai se reunir com um grupo de colegas para decidir o que fazer neste momento. Sugere um rápido pronunciamento do presidente Renan e esperar a decisão final do Supremo Tribunal Federal que hoje à tarde deve julgar o pedido de prisão de Renan, do senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente do partido, e do ex-presidente José Sarney. “O momento é muito grave e estamos tentando dar um ar de normalidade ao Senado com o funcionamento das comissões”, disse Ana Amélia.

No Senado, os senadores se revezam para tentar dar quórum à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) que sabatina o economista Ilan Goldfajn, indicado pelo Palácio do Planalto para ser o novo presidente do Banco Central. Em outra comissão, o ministro da Comunicação, Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD), tentava responder questões sobre a sua área. O plenário do Senado ficou vazio e o presidente Renan Calheiros não apareceu.

O líder do governo no Senado, Aloisyo Nunes Ferreira (PSDB-SP), evitou dar entrevistas. Perguntado se o dia tinha começado quente, desconversou:  “Põe quente nisso” . O vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), também desconversava. Questionado sobre o que fazer nesta hora de crise, disse: “Esta é a pergunta que fazemos há várias semanas e não sabemos responder”. O senador João Capiberibe (PSB-AP), sugeriu que o Congresso pare seus trabalhos e analise a situação política das duas casas para depois continuar tentando trabalhar assuntos específicos.

Janot pede prisão de Renan, Cunha, Sarney e Jucá

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!