Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Senador quer sigilo para valor de renúncia fiscal

Aloysio Nunes diz que alcance da transparência não deve avançar sobre direitos assegurados na Constituição, tais como "intimidade" e "vida privada", mesmo no caso das empresas. Tucano emendou projeto que poderia detalhar beneficiários e valores da renúncia

Em tempos de Lei de Acesso à Informação e clamor popular por transparência nas contas públicas, um relatório do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 188/2014, apresentado por Randofe Rodrigues (Psol-AP), pretende manter sob sigilo os valores movimentados por empresas e demais contemplados na chamada renúncia fiscal, quando o governo abre mão de cobrar tributos em determinadas situações. Apresentado em 22 de maio de 2014, o PLS pretende acrescentar à legislação do Código Tributário Nacional (Lei 5.172, de 25 de outubro de 1966) a permissão para “a divulgação, por parte da Fazenda Pública, do beneficiários de renúncias de receita”.

O relatório de Aloysio Nunes foi apresentado em 18 de novembro na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, com parecer favorável. No entanto, o tucano sugere emenda ao texto original, de maneira a manter sob segredo os valores movimentados via renúncia fiscal, bem como o patrimônio financeiro dos contemplados. O “alcance da divulgação pretendida” pelo projeto, diz o relator, deve ser restrito “à mera publicidade dos nomes ou razões sociais dos beneficiários”.

Citando o artigo 5º da Constituição, que define como “invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas”, o senador alega que esse preceito constitucional “protege tanto pessoas físicas como jurídicas” – ou seja, também se aplica às empresas. Para Aloysio, essa passagem da Carta Magna não admite “interpretação hesitante” nem nas hipóteses de interesse da coletividade – caso do dinheiro privado livre de tributação devido à renúncia fiscal.

“Nem mesmo o Fisco, por mais nobres que se mostrem suas intenções e por mais justa que soe sua motivação, pode extrapolar seu direito de investigar o patrimônio do contribuinte e divulgar informações a esse respeito”, diz o senador, para quem a matéria é omissa quanto aos limites da Constituição. “Numa leitura fria, o que o projeto diz é que poderão ser divulgadas informações relativas aos beneficiários de renúncias de receita. A questão que se coloca é saber que informações serão essas, qual o alcance da divulgação. A depender de sua profundidade, essa publicidade poderá, sim, ser abusiva e inconstitucional.”

Para Aloysio, não há problemas em que sejam divulgados os beneficiários de “favores fiscais”, sejam pessoa física ou jurídica, por parte da administração fazendária. “Se, no entanto, se ceder à tentação de promover-se uma publicidade sensacionalista, difundindo-se detalhes do patrimônio das empresas e cidadãos envolvidos, configurar-se-á nitidamente uma violação do disposto no inciso X do artigo 5º da Constituição Federal. Infelizmente, a redação [...] da forma como está, permite tanto uma como outra aplicação”, justifica o senador tucano.

Luz desinfetante

Na versão original do projeto, Randolfe faz menção ao juiz norte-americano Louis Brandeis (“A luz do sol é o melhor desinfetante”), morto em 1941, para ilustrar a necessidade de transparência, “notadamente no que se refere ao dinheiro público”. Na argumentação do projeto, o senador defende a premissa, ensejada na citação de Brandeis, de que a sociedade deve ter à disposição, de maneira facilitada, números e demais registros sobre contas públicas.

Como lembra Randolfe, o artigo 198 do Código Tributário Nacional proíbe “a divulgação, por parte da Fazenda Pública ou de seus servidores, de informação obtida em razão do ofício sobre a situação econômica ou financeira do sujeito passivo ou de terceiros e sobre a natureza e o estado de seus negócios ou atividades”. Com cópia da legislação promulgada há 50 anos anexada ao projeto, o parlamentar aponta características da atualidade para defender sua aprovação.

“Privar o cidadão brasileiro, em geral, e o contribuinte, em particular, do acesso – mediante instrumento legal – a essas informações contribui para cercear sua capacidade de fiscalizar o governo e de questionar eventuais ‘benevolências’ indevidas em nome de pessoas físicas e jurídicas. Ademais, é imperativo frisar que o controle social é o mais eficaz e legítimo instrumento para frear ou impedir eventuais condutas indesejáveis pelos governantes, notadamente nos tempos atuais de informação instantânea e de redes de computadores interligados mundialmente”, observa o senador.

Bilhões “renunciados”

A despeito da vigência, desde novembro de 2011, da Lei de Acesso à Informação, a busca por registros públicos pode esbarrar em casos como o da Lei 5.172. Essa situação provoca impasses como a que foi descrita em reportagem publicada em junho de 2014 pela revista CartaCapital (“Horário eleitoral ‘gratuito’ é pago e sem transparência”).

No texto, o repórter Piero Locatelli tentou obter, com base na legislação de transparência, informações sobre quanto cada emissora de rádio e TV “lucra” ao ceder espaço em sua programação durante pleitos eleitorais, no chamado “horário político obrigatório”. A reportagem informa que, nos últimos 12 anos, os veículos de comunicação deixaram de pagar pelo menos R$ 3,57 bilhões em impostos, a título de renúncia fiscal pela exibição da propaganda eleitoral. Mas, devido ao artigo 198 do Código Tributário Nacional, a Receita Federal lhe negou a informação detalhada sobre o valor do benefício para cada emissora.

“A reportagem argumentou que não desejava toda a informação fiscal das emissoras, mas somente o valor referente às isenções do horário eleitoral. [...] Desta forma, as informações particulares estariam guardadas. Diante do recurso, a Controladoria Geral da União [CGU], responsável pelas apelações sobre a lei [de Acesso à Informação], questionou à Receita: ‘Como a informação do valor específico da renúncia fiscal dada a cada emissora pode expor a sua situação financeira e econômica?’”, relata a CartaCapital.

“Em resposta, o órgão afirmou que ‘o sigilo fiscal protege todo e qualquer item que esteja inserido no conjunto das informações que componham a situação financeira e econômica do contribuinte. (...) Toda e qualquer informação, mesmo que isoladamente, e num menor grau, acaba por expor uma realidade financeira ou econômica’. A CGU concordou com o argumento da Receita e estes gastos não devem ser revelados”, completa a revista.

Em outra reportagem, esta veiculada em 16 de outubro de 2013 pela Agência Senado (“Renúncia fiscal equivale a um quinto das receitas”), informa-se que, em 2014, o Brasil abriu mão de 20,66% das receitas tributárias, nos termos do projeto de lei orçamentária do ano anterior. O percentual significou R$ 249,8 bilhões, “mais do que a soma de investimentos em saúde (R$ 100,3 bilhões), educação (R$ 92,4 bilhões) e Brasil sem Miséria (R$ 32,6 bilhões)”. O texto revelou ainda que, em 11 anos, a estimativa de renúncia fiscal cresceu dez vezes: de R$ 24 bilhões, em 2003, para R$ 249,8 bilhões, em 2014.

Mais sobre a Lei de Acesso à Informação

Leia mais sobre impostos

Continuar lendo