Senador protocola pedido de impeachment de Dilma; veja a íntegra

Tucano alega que presidenta causou prejuízo ao avalizar compra de refinaria pela Petrobras nos Estados Unidos. Presidente da Câmara, que vai analisar o caso, já antecipou que não vê elementos para levar adiante a denúncia contra a petista

O senador Mário Couto Filho (PSDB-PA) protocolou, nesta terça-feira (1º), na Secretaria-Geral da Mesa da Câmara pedido de abertura de processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Ele alega que Dilma causou "prejuízos" ao referendar a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras.

 

De acordo com o tucano, Dilma cometeu crime de responsabilidade ao autorizar a operação, em 2006. Na época, ela presidia o conselho de administração da estatal.

“Em 2010, a empresa estava avaliada pelo mercado em R$ 380 bilhões, mas, após essa irresponsável e lastimosa operação, vale hoje R$ 179 bilhões. Destruíram e desvalorizaram a empresa e o povo brasileiro perdeu seu dinheiro”, disse Mário Couto em discurso no plenário. O pedido do senador não tem apoio da oposição.

Veja íntegra do pedido de impeachment

A transação custou US$ 1,3 bilhão à Petrobras. O Tribunal de Contas da União, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal já estão investigando a suspeita de superfaturamento.

O processo de impeachment, que, em tese, pode resultar na cassação da presidenta, só irá adiante se o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), considerar que há elementos suficientes contra Dilma. Mas ele já declarou não ver justificativa para abrir a investigação.

Primeiramente, a Petrobras comprou 50% da refinaria e se tornou sócia da Astra Oil. A presidenta alega que foi levada a erro porque relatório feito pelo então diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, não se referia à cláusula que obrigaria a estatal a adquirir a outra metade da Astra Oil se houvesse desentendimento entre as duas empresas. A oposição insiste na criação de uma CPI para investigar o  negócio e outras suspeitas de irregularidade envolvendo a empresa.

Leia mais sobre Petrobras

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!