Senado reconduz Roberto Gurgel à chefia da PGR

Indicação do presidente Lula, procurador continuará à frente do Ministério Público Federal nos dois primeiros anos do governo Dilma Rousseff

Por 56 votos a 6, sem abstenções, o Plenário do Senado aprovou a recondução de Roberto Gurgel ao comando da Procuradoria Geral da Republica (PGR). Eram necessários ao menos 41 votos (maioria absoluta dos 81 senadores) para a aprovação do procurador-geral, como determina a Constituição. Assim, Gurgel terá mais dois anos à frente do Ministério Público Federal.

A decisão do plenário ratifica sabatina realizada mais cedo na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, quando apenas um entre os 23 membros do colegiado votou contra a indicação de Gurgel – a votação é secreta, procedimento repetido no plenário. Na ocasião, Gurgel falou sobre temas polêmicos, como o recente parecer sobre a evolução patrimonial do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, mas foi elogiado por diversos senadores, inclusive da oposição.

Leia mais:
CCJ do Senado aprova recondução de Gurgel para PGR
Processo contra Palocci seria burrice, diz Gurgel

Nascido em Fortaleza (CE), casado e pai de dois filhos, Gurgel foi aprovado no quinto concurso público para o cargo de procurador da República. Ele ingressou na carreira em julho de 1982, como procurador da República de 2ª categoria. Foi vice-procurador-geral da República de julho de 2004 a junho de 2009, quando acabou indicado pelo então presidente Lula para o cargo máximo do MPF. Pela segunda vez, ele encabeçou a lista tríplice que resultou da consulta feita pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) dentro da categoria.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!