Senado aprova convite a Rubens Vieira para explicar esquema

Em descuido do governo, oposição consegue convidar diretor de infraestrutura areportuária da Anac que deverá explicar qual era a sua participação no esquema de obtenção de pareceres técnicos falsos e tráfico de influência no governo federal

A Comissão de Infraestrutura do Senado aprovou nesta quarta-feira (28) convite para que o ex-diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Rubens Vieira explique aos senadores qual foi o seu envolvimento em um esquema de tráfico de influência no governo federal e qual era o seu trabalho à frente da diretoria. Rubens foi preso na sexta-feira passada (23), quando a operação Porto Seguro, da Polícia Federal foi deflagrada. Ele também foi afastado do cargo.

Rubens é irmão de Paulo Vieira, ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), tido pela PF como o chefe do grupo criminoso. Ele também está preso e afastado do cargo. Como não é mais autoridade do governo, Rubens não poderia ser convocado e por isso foi convidado a ir ao Senado. Se ele aceitar o convite, poderá prestar os esclarecimentos já na semana que vem.

Ele é o primeiro da cúpula do esquema que é convidado pelo Congresso para prestar esclarecimentos. O governo não desejava o seu convite e tenta a todo custo barrar a convocação de seu irmão, e também da ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Nóvoa de Noronha e do ex-advogado-geral-adjunto da União, José Weber Holanda. Ambos foram demitidos pela presidenta Dilma Rousseff após o escândalo ter se tornado público.

Até o momento, a Câmara e o Senado aprovaram requerimentos que convidam o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, a explicarem como estão atuando para investigar o esquema. Eles deverão ir ao Senado na próxima quarta-feira (5) e serão ouvidos em sessões conjuntas da Comissão de Fiscalização e Controle do Senado (CMA) e da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Os senadores pretendem ouvir o ministro da Justiça às 11h e o chefe da AGU, às 14h30, segundo informou o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM).

No mesmo dia, a CCJ deverá votar novos requerimentos que foram apresentados hoje. Senadores oposicionistas querem ouvir o secretário nacional de Portos, Leônidas Cristino, a secretária de Patrimônio da União de São Paulo, Evangelina de Almeida Pinho, o superintendente da PF em São Paulo, Roberto Troncon Filho, e José Weber Holanda.

O ministro da Justiça também deverá prestar esclarecimentos aos deputados na próxima terça-feira (4), quando participará de uma audiência conjunta entre a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) e a Comissão de Segurança Pública da Casa.

Leia também:

Número 2 da AGU e chefe de gabinete de Dilma são indiciados
Dilma afasta servidores envolvidos na Porto Seguro
Porto Seguro: senadores querem ouvir indiciados pela PF e ministro
Senado nega manobra na aprovação de diretor de agência

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!