Senado aprova 30 de agosto como Dia Nacional do Perdão

Com a iniciativa, deputada eterniza a ocasião em que perdoou os assassinos do filho, brutalmente morto aos 8 anos de idade

Em meio à crescente polarização política, à crise brasileira multifacetada e às discussões sobre reforma da Previdência, o Senado aprovou nesta terça-feira (28) um projeto que institui o Dia Nacional do Perdão, a ser celebrado todos os anos em 30 de agosto. O objetivo alegado na proposta é promover reflexão sobre o assunto. Simbolicamente aprovado (por acordo, sem contagem de votos), o texto (PLC 31/2015) teve origem na Câmara dos Deputados e agora segue para sanção presidencial.

À parte a discussão sobre os critérios de prioridade do Senado quanto à pauta legislativa, há uma questão cristã por trás do projeto: com a fixação da data, a autora da matéria, deputada Keiko Ota (PSB-SP), resolveu reagir a uma tragédia pessoal. Em 30 de agosto de 1997, a parlamentar perdeu seu filho, Ives Ota, sequestrado e brutalmente assassinato com apenas oito anos de idade. Keiko não era deputada à época do infanticídio, quando ela e seu marido decidiram perdoar os assassinos do próprio filho, e agora pôde se valer das prerrogativas de parlamentar para eternizar a data.

Não foram oferecidas emendas para alterar o texto — ou o propósito — do projeto, que foi relatado pela senadora Simone Tebet (PMDB-MS) no Senado. A peemedebista destacou a importância da iniciativa por estimular o perdão em um instante de “divisões e muros” em nível mundial. Logo após da aprovação da matéria, a peemedebista disse em plenário que o projeto é uma lição de vida e “soa algo assim como uma prece ao Criador, na mesma linha da súplica do filho de Deus: ‘Pai, perdoai-lhes, eles não sabem o que fazem’”.

Veja o momento da aprovação do projeto:


 

“Ela [Keiko] foi além. O seu projeto quer dizer a todos nós, como em uma oração: ‘Perdoai-lhes ainda que eles saibam o que fazem’”, discursou Simone.

“Não posso deixar de render minhas homenagens à autora, a deputada Keiko Ota. Apesar de toda dor e sofrimento, [ela e seu marido] conseguiram perdoar aqueles que tanto lhes fizeram mal. Quando brota do mais fundo da alma, o perdão não cansa de perdoar”, acrescentou a senadora.

 

Mais sobre violência

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!