Márcio Thomaz Bastos desqualifica denúncia do mensalão

Advogado de ex-diretor do Banco Rural afirma que seu cliente não participou dos empréstimos feitos pela instituição financeira. Para o ex-ministro da Justiça, denúncia da Procuradoria-Geral da República desafia "conceito de tempo" e falha ao individualizar condutas

O advogado Márcio Thomaz Bastos afirmou nesta quarta-feira (8) que seu cliente, o ex-diretor do Banco Rural José Roberto Salgado, não teve influência nem era responsável pelos três empréstimos feitos na instituição financeira em 2003. De acordo com a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República, os três financiamentos ocorreram para abastecer o esquema do mensalão. "Quando os empréstimos foram dados, ele não era diretor do banco para essa área", disse Bastos, ex-ministro da Justiça no primeiro governo Lula.

Mensalão: entenda o que está em julgamento
Quem são os réus, as acusações e suas defesas
Tudo sobre o mensalão

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Salgado responde pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e evasão de divisas. A PGR afirma que o ex-diretor do Banco Rural usou o cargo para liberar empréstimos sem as garantias exigidas e de ter transferido ilegalmente recursos para o publicitário Duda Mendonça no exterior. Um foi tomado pelo PT e outros dois pela SMP&B, agência de publicidade de Marcos Valério.

A defesa contesta. De acordo com Márcio Thomaz Bastos, os empréstimos foram realizados em 2003. Na época, disse, Salgado era responsável pela área internacional e de câmbio do Banco Rural. Somente em 2004, acrescentou, ele passou a responder pela vice-presidência da instituição financeira. O advogado afirmou também que o PT conseguiu, "com dificuldade", pagar o financiamento de R$ 3 milhões. E que Marcos Valério está sendo cobrado pelo banco.

Assim como seus antecessores na tribuna, Bastos criticou a acusação feita pela PGR. Pontuou a falta de individualização das condutas - "a denúncia não descreve como ele efetivamente atuou" - e que o mesmo fato é usado para acusar três crimes diferentes. Os empréstimos são o núcleo da gestão fraudulenta, da formação de quadrilha e da lavagem de dinheiro.

"A dificuldade do processo é essa confederação de condutas, muitas coisas ligadas uma nas outras, de forma que fica impossível que se faça uma caminhada racional e lógica, examinando as coisas como devem ser examinadas", disse Thomaz Bastos. Para ele, em toda a acusação, a PGR desafiou o "conceito do tempo". "Foram 30 testemunhas, nenhuma menciona José Carlos Salgado. Somente uma que traz uma série de fofocas, de intrigas", completou, referindo-se a Carlos Godinho, ex-funcionário do Banco Rural e "notório falsário".

Advogados jogam responsabilidade para Marcos Valério

Defesas questionam provas, rejeitam mensalão e admitem caixa 2

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!