Romário quer investigação contra presidente da CBF

Deputado do PSB acredita que José Maria Marín é responsável, ao menos de "forma indireta" pela morte do jornalista Vladimir Herzog. Ele propôs audiência pública para discutir a questão

O deputado Romário (PSB-RJ) voltou a usar a tribuna da Câmara para criticar seu principal adversário no momento, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marín. Em discurso, o parlamentar fluminense pediu que o cartola seja investigado por uma suposta participação na morte do jornalista Vladimir Herzog. Ele morreu em 25 de outubro de 1975, aos 38 anos, quando estava preso no DOI-CODI em São Paulo.

Romário disse que, se Marín não é responsável diretamente pela morte de Vladimir Herzog, ao menos é de forma “indireta”. Ele pede que a Comissão da Verdade investigue a eventual participação do presidente da CBF na morte do jornalista. “Ele está destruindo o futebol brasileiro”, disse o ex-jogador da seleção brasileira. "As suspeitas são graves e constrangedoras. Será que merecemos ter à frente do nosso esporte uma pessoa suspeita de envolvimento com torturas, assassinato, e supressão da democracia?", questionou.

Veja o discurso de Romário:

Palavra

Ele disse que, por mais que pareça estranho, sente “saudades” do ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, que deixou a entidade após denúncias de ter faturado pessoalmente com a realização de um jogo da seleção. “Tô sentindo saudades de Ricardo Teixeira”, disse Romário aos jornalistas. Ele disse que o ex-presidente cumpria com sua palavra até para tomar atitudes com as quais o deputado discordava. Já Marin, nas palavras de Romário, “não cumpre com ninguém”.

Romário exige transparência nas contas da CBF, reclama que Marín não trabalha para formar uma boa seleção brasileira e vencer a Copa do Mundo de 2014, mas, em vez disso, apenas quer renovar um contrato bilionário coma Nike. “Ele quer refazer o contrato e levar pedaço”, acusou o deputado.

Para o deputado, não vale o argumento de que a CBF é uma entidade privada. Para ele, como ela usa a bandeira e os símbolos nacionais, a Confederação deve prestar contas à sociedade. Romário defende até uma intervenção do governo para exigir a transparência nas contas da CBF.

Romário ainda acusou a CBF de esconder seu novo estatuto, porque ele teria sido aprovado numa assembleia irregular, sem a presença de todos os membros da entidade. O estatuto antigo obriga a confederação a investir no futebol de base e no futebol feminino, o que não está sendo cumprido, segundo o deputado.

“Lugar de ladrão é na cadeia”, diz Romário sobre Marín

Veja também:

Romário começa a colher adesões para a CPI da CBF
Romário: “Chega de sacanagem no mundo da bola”

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!